Portal

Simpósio de Missiologia debate leitura da Bíblia na prática da Missão

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram

Por Jaime C. Patias | 25.02.14| “A leitura bíblica deve começar do chão das maiorias oprimidas”, afirmou a pastora metodista, Nancy Cardoso Pereira, ao abrir as reflexões no 3º Simpósio de Missiologia, que acontece ao longo desta semana em Brasília (DF). Promovido pelo Centro Cultural Missionário (CCM) e a Rede Ecumênica Latino Americana de Missiólogos e Missiólogas (RELAMI), o evento reúne 50 pessoas entre, docentes, teólogos, pesquisadores, representantes de instituições missionárias, agentes de pastoral e animadores missionários, de todo o Brasil e convidados da Bolívia e do México. Os estudos se concentram no tema: “Palavra de Deus e Missão: identidade, alteridade e universalidade na Bíblia”.

Nancy Cardoso é doutora em Ciências da Religião e membro da equipe de reflexão do Centro de Estudos Bíblicos (CEBI), grupo que em suas investigações toma como base a realidade, a bíblia e a comunidade. “O biblista popular deve começar sua reflexão, a partir das desconfianças do povo. A missão deve ser alimentada pela leitura e pela crítica popular. Desta crítica e autocrítica, nasce a espiritualidade, as ações políticas e a missão”, destacou a pastora. “Quem estuda Bíblia deve se expor às contradições da realidade, ler a Palavra e ter uma vivência na comunidade”, completou. A questão em debate é como utilizar a Bíblia na prática da Missão.

Recorrendo textos bíblicos, Nancy procurou demonstrar como ler a Bíblia na missão. “É uma leitura de espiritualidade e produção de projetos”, disse. A assessora destacou ainda a metodologia adotada por teólogos e pensadores como, José Comblin, Gustavo Gutierrez, Enrique Dussel, Jurgen Moltmann e Hugo Assmann. Nos estudos, “não dá para começar da Bíblia em si ou da história da Igreja, mas da realidade que pisamos na missão”, alertou a biblista que é agente da Comissão Pastoral da Terra (CPT) e há anos circula em acampamentos de Sem Terras.

Em sua opinião, os comentários oficiais alemães “escondem os pés, pois agindo com imparcialidade não dizem de onde partem. A universalidade não pode o ser ponto de partida, mas sim o chão da comunidade onde vivemos, as perguntas dos camponeses, o movimento das mulheres, os oprimidos que também pensam e fazem teologia”, finalizou.

Pastora Nancy atua também, no Programa de Acompanhamento Ecumênico na Palestina e em Israel (EAPPI) que leva pessoas do mundo todo à Cisjordânia para experimentar a vida sob a ocupação. Os acompanhantes ecumênicos fornecem proteção para as comunidades vulneráveis, monitoram abusos dos direitos humanos e incentivam palestinos e israelenses a trabalharem juntos pela paz.

A esperança profética

Numa segunda reflexão sobre Israel, o povo eleito e os outros povos, Irmã Tea Frigério, que também é membro da Equipe de reflexão do CEBI, analisou o Segundo Isaías. A religiosa explicou que, da sua visão não nasce uma proposta missionária. A ler o profeta, podemos descobrir a quem ele quer dar voz. “Essa atitude nos leva a perguntar: na escuta de quem nós queremos estar e quais rostos aparecem”, sublinhou.

O profeta não está sozinho, mas é uma expressão da comunidade profética. Isaías quer convidar para olhar um determinado grupo de pessoas identificado pela seguinte versículo: “Os infelizes que buscam água e não a encontram e cuja língua está ressequida pela sede, eu, o Senhor, os atenderei, eu, o Deus de Israel, não os abandonarei” (Is 41,17). Para irmã Tea, o profeta quer que coloquemos nosso olhar sobre esse grupo de pessoas no mundo atual. “Pessoas que tropeçam e caem pela fadiga, a serviço dos tiranos e desprezado, despojados, saqueados” (Is 52, 3).

Para entender a mensagem de Isaías precisamos partir da realidade dos oprimidos que têm um sonho utópico. O profeta não tem uma proposta missionária, universal, mas tem uma esperança a oferecer para estas pessoas.

Irmã Tea recordou ainda que, “no tempo bíblico de Segundo Isaías, o Império babilônico investia na militarização e na construção de templos e palácios em detrimento das necessidades dos pobres.
Enquanto hoje, os maiores investimentos vão para a construção de estádios, grandes obras, para a defesa e palácios, o povo mais pobre fica sem hospitais, escolas e moradia”.

Para reconstruir a identidade é preciso acordar da apatia, ter a capacidade de sonhar e resgatar a memória histórica. “É isso que o profeta está tentando fazer. No texto ele destaca cinco ações de Javé em favor de Israel-Jacó: “eu te escolhi, te agarrei com força, te chamei, não te rejeitei, te ajudei, por isso sê forte e não temas”. (Is 41, 9 ss).

A partir disso, o profeta começa a reconstruir a identidade do povo. Ao longo da história, Deus assume os rostos das necessidades que as pessoas têm. “Aos filhos ilegítimos ele diz: eu sou Pai; aos escravos, ele diz: eu te resgato; a quem faz uma experiência de rejeição, ele diz: eu sou como uma mãe que te acolhe; ao sedento ele diz: eu sou a chuva… Falamos de Deus através de nossas experiências”, recordou. Com isso, “somos convidados a escutar essas vozes que também fazem teologia e têm um jeito próprio de falar de Deus. Aqui nasce a missão”.

A programação do Simpósio se estende até sexta-feira, 28, e conta com a participação de renomados teólogos e biblistas, tais como, Frei Carlos Mesters, Francisco Orofino, Paulo Suess, Estêvão Raschietti, Carlos Intipampa, pastor metodista boliviano.

O 1º Simpósio de Missiologia aconteceu em 1999, em de São Paulo. Já a 2ª edição foi realizada no CCM, em Brasília, em 2013.

Publicações recentes