Em audiência com cerca de seis mil crianças, no Vaticano, criança pergunta ao Papa o que faz para ser tão bom e afirma nunca vê-lo ‘brabo’. Ao que o Pontífice responde: “Fico brabo, mas não mordo”.

Por Rosinha Martins | Por ocasião do 40º Encontro Internacional dos Pueri Cantores, no Vaticano, o Papa Francisco reservou um tempo para estar com as crianças e responder às suas curiosidades a seu respeito. E foram sérias as perguntas direcionadas ao bispo de Roma.

Era 31 de dezembro de 2015, quando, de improviso e de forma descontraída, o Papa em suas respostas falou de amor, de respeito, de bondade, de Jesus e de sua própria história e prendeu a atenção da garotada.

A reportagem é de Jefferson E., da Rádio Vaticano. Leia a integra do diálogo.

Criança – O que você acha do nosso canto? Lhe agrada cantar?

Francisco – “O que você acha do nosso canto? Lhe agrada cantar?’…. Eu gostaria de escutá-los cantar um pouco. Ouvi somente um canto, espero que cantem outros…. Gosto de ouvir cantar, mas, se eu cantasse, pareceria um asno, porque não sei cantar. Nem mesmo sei falar bem, porque tenho um defeito na maneira de falar, na fonética… Mas gosto muito de ouvir cantar. E vou contar para vocês uma história. Quando eu era criança – nós somos em cinco irmãos – quando era criança, a mãe, no sábado, às duas da tarde, nos fazia sentar diante da rádio para ouvir. E o que ouvíamos? Todos os sábados havia transmissão de uma ópera. E nossa mãe nos ensinava como era aquela ópera, nos explicava: “Ouçam como se faz isto…”. E desde pequeno experimentei o prazer de ouvir cantar. Mas nunca pude cantar. Pelo contrário, um dos meus avós, que era marceneiro, enquanto trabalhava cantava sempre, sempre. O prazer de ouvir cantar vem desde pequeno. Me agrada tanto a música e o canto. E o que penso do canto de vocês? Espero ouvir algum outro. De acordo? É possível?

O canto educa a alma.

Digo uma coisa para vocês: o canto educa a alma, o canto faz bem para a alma. Por exemplo, quando uma mãe quer adormecer o filho, não lhe diz: “Um, dois, três, quatro…”. Canta a canção de ninar, e faz bem à sua alma, a criança fica tranquila e adormece. Santo Agostinho diz uma frase muito bonita. Cada um de vocês deve aprendê-la na própria língua. Falando da vida cristã, da alegria da vida cristã, diz assim: “Canta e caminha”. A vida cristã é um caminho, mas não é um caminho triste, é um caminho alegre. E por isto canta. Canta e caminha, não esqueçam! Cada um o diga na sua língua: canta e caminha! [repetem: “Canta e caminha!”] Não ouvi bem… [“Canta e caminha!”] Isto! Recordem disto: canta e caminha. E assim a tua alma experimentará mais ainda a alegria do Evangelho”.

Criança – Como você faz para ser sempre tão bom, nunca fica brabo? Quais são os seus propósitos para o Ano Novo?

Francisco – “Uma vez se aproximou de Jesus um jovem e lhe disse uma palavra que se assemelha a tua. Ele disse: “Jesus, mestre bom”. E Jesus olhou para ele e lhe disse: “Não, somente Deus é bom”. Somente Deus é bom, disse Jesus. E nós? Somos maus? Não, meio a meio, temos um pouco de tudo… Nós temos sempre aquela ferida do pecado original que nos leva a não sermos tão bons sempre… Mas, recorda-te sempre: somente Deus é bom, e se tu quereres encontrar bondade, vai até o Senhor, Ele é todo bondade, todo amor, todo misericórdia.

“Sabem o que faço para ser bom? Me aproximo do Senhor”

E sabem como eu faço para ser bom? Me aproximo do Senhor. E peço ao Senhor: “Senhor, que eu não seja tão pecador, que não seja tão mau, que não faça maldade a ninguém, que não tenha ciúmes, inveja, que não me envolva em conchavos, que são tantos…”. E todas estas coisas. Pedir a graça de ser bom, porque somente Deus é bom. Também isto vocês devem aprender. Digamos todos juntos? Cada um na própria língua: “Somente Deus é bom”. [repetem: “Somente Deus é bom”]. Uma outra vez. [“Somente Deus é bom”]. Recordem deste conselho de Santo Agostinho que vocês repetiram todos juntos, como era? [respondem: “Canta e caminha!”]. Somente Deus é bom. Recordem bem disto.

“Há tantos santos escondidos na vida cotidiana”

Mas existem pessoas boas, sim, que se aproximam do Senhor, os santos! Tantos santos escondidos na vida cotidiana, na nossa vida, tantas pessoas que sofrem e oferecem os sofrimentos para a conversão dos pecadores. Tanta, tanta gente que se aproxima tanto da bondade de Deus, são os santos. Mas quem é somente bom? [respondem: “Deus”]. Somente Deus é bom.

“Sim, fico brabo mas não mordo”

“Se nunca fico brabo?” . Sim, fico brabo, mas não mordo! Às vezes fico brabo, quando alguém faz uma coisa que não está bem, me vem um pouco…. Mas me ajuda a parar e pensar nas vezes em que eu fiz os outros ficarem brabos. E penso e me pergunto: Eu ’embrabeci’ aos outros? Sim, tantas vezes. Então, não tenho o direito de ficar brabo. ‘Mas ele fez….’. Sim, mas se ele fez esta coisa que é ruim, que não é boa, chame-o e converse com ele como irmão, fale como irmão e irmã, fale, fale. Mas sem ficar brabo, porque a raiva é venenosa, envenena a tua alma. Tantas vezes vi crianças e jovens assustados. Por que? Por que os pais, ou na escola, gritavam com eles. E quando alguém está com raiva e grita, faz mal, fere: gritar com alguém é como dar uma facada na alma, isto não faz bem. Entenderam bem?

Eu fico brabo, sim, algumas vezes fico brabo, mas me ajuda pensar nas vezes em que eu fiz os outros ficarem brabos, isto me deixa mais sereno, me torna um pouco mais tranquilo. Enraivecer-se é uma coisa que faz mal não somente ao outro, faz mal a ti mesmo, envenena a ti mesmo. E existe gente, que vocês certamente conhecem, que tem a alma amarga, sempre com amargura, que vivem brabos. Parece que todas as manhãs lavam os dentes com vinagre para serem assim enraivecidos. Tem gente que é assim…..é uma doença. Se entende, se existe uma coisa que não me agrada, fico um pouco brabo. Mas isto, o hábito de enraivecer-se, o hábito de gritar, o hábito de gritar com os outros, isto é um veneno! Pergunto a vocês, e cada um na sua própria língua responda: como era a alma de Jesus, doce ou amarga? [respondem: “Doce!”]. Era doce por que? Porque quando ficava brabo isto não chegava à sua alma, era somente para corrigir e depois voltava à paz.

“Meus propósitos para o Ano Novo? Rezar um pouco mais”

Francisco – Fiz um dia destes, em que dediquei um pouco de tempo para fazer um retiro espiritual: rezar mais. Pois me dei conta que os bispos e os padres – eu sou bispo – devem guiar o povo de Deus antes de tudo com a oração, é o primeiro serviço. Conto uma história para vocês. No início do cristianismo havia tanto trabalho, porque tanta gente se convertia e os apóstolos não tinham tempo. E alguns foram a eles lamentar-se porque não cuidavam bem das viúvas e dos órfãos. Era verdade, mas não tinham tempo para fazer tudo. E fizeram um concílio entre eles e decidiram encarregar alguns homens somente para servir as pessoas. É o momento da criação dos diáconos. Os diáconos nasceram assim. Vocês podem ver isto no Livro dos Atos dos Apóstolos. E o que diz Pedro, São Pedro, o primeiro Papa? O que diz?. “Eles farão isto, e a nós, os apóstolos, somente duas coisas: a oração e o anúncio do Evangelho, a pregação”.

“A primeira tarefa de um bispo é a oração”

Ou seja, para um bispo, a primeira tarefa é a oração, a primeira tarefa: não se pode ser bispo na Igreja sem a oração em primeiro lugar. E depois o anúncio do Evangelho. Nestes dias, respondendo à tua pergunta, eu pensei que um bom propósito para o próximo ano seria este, rezar um pouco mais. De acordo? Também eu pergunto a vocês: vocês pensam que este seria um bom propósito também para vocês? [respondem: “Sim!”]. Rezar um pouco mais. Porque a Igreja vai em frente com a oração dos santos, Rezem pela Igreja!

Criança – Quando você era pequeno, o que você sonhava ser? De noite, quando olho a televisão com a minha família, vejo tantas histórias tristes e dramáticas: o mundo permanecerá sempre assim, também quando eu for grande?

Francisco – “Se eu vos dissesse a verdade sobre a primeira pergunta, vocês iriam rir….Mas vou dizer a verdade. A pergunta era: “Quando eu era criança, o que eu sonhava ser?”. Quando eu era pequeno eu ia seguido com a avó, mas também com a mãe ao mercado fazer compras. Naquele tempo não havia os supermercados, não havia a televisão, não tinha nada…. O mercado era na rua e lá tinha os locais para as verduras, para as frutas, para a carne, para o peixe e se comprava tudo. Um dia, em casa, na mesa, me perguntaram: o que você gostaria de ser quando crescer? Sabem o que eu respondi? “Açougueiro”. Por que? Porque o açougueiro que havia no mercado – havia 3 ou 4 lugares para a carne – pegavam a faca, cortavam em pedaços… é uma arte e gostava de ver eles fazerem isto. Agora mudei de ideia, naturalmente; mas, respondendo à sua pergunta, quando eu era pequeno, eu pensava em me tornar um açougueiro. Me teria agradado.

Depois, a segunda pergunta – esta é séria! “De noite, quando janto com a minha família, olhando a televisão, ouço sempre falar de notícias tristes e dramáticas….. Mas o mundo, quando eu for grande, será sempre assim?

Francisco – É verdade o que tu disseste. Existe tanta gente que sofre no mundo hoje. Existem as guerras. Mas quantas guerras existem! Na África, pensem quantas guerras. No Oriente Médio, onde nasceu Jesus, está tudo em guerra. Na Ucrânia, há guerra. Em tantos lugares. Na América Latina existem guerras. São coisas feias! E o que fazem as guerras? Causam pobreza, dor, mal. Somente coisas tristes…Pensem nas crianças. Vocês, jovens, crianças, têm o dom de Deus de poder cantar, de serem felizes, de viver a vida cristã como dizia Santo Agostinho – como era aquilo que dizia Santo Agostinho? [respondem: “Canta e caminha!”] – mas existem crianças que não têm o que comer no mundo; existem crianças que não podem ir à escola, porque existe a guerra, a pobreza e não existem escolas; existem crianças que quando ficam doentes, não têm a possibilidade de ir a um hospital. Rezem por estas crianças, rezem! Mas o mundo será sempre assim? O mundo pode melhorar. Mas existe uma coisa da qual não agrada falar, mas da qual se deve falar: no mundo existe a luta entre o bem e o mal – dizem os filósofos -, a luta entre o diabo e Deus. Ainda existe isto. Quando em cada um de nós vem o desejo de fazer uma maldade, aquela pequena maldade é uma inspiração do diabo, que, através da fraqueza que deixou em nós o pecado original, te leva a isto. Se faz o mal nas pequenas coisas como nas grandes coisas; nas guerras como – por exemplo – um jovem que mente; é uma guerra contra a verdade de Deus, contra a verdade da vida, contra a alegria. Esta luta entre o diabo e Deus, diz a Bíblia que continuará até o fim. Isto está claro, não? Vocês entenderam isto? Está claro. Todos nós temos dentro um campo de batalha. Se luta entre o bem e o mal, todos nós. Temos graças e tentações, e devemos falar com o pároco, com a catequista desta coisas para conhecê-las bem. Esta é a primeira coisa.

“Há tanta coisa boa que não é divulgada…porque não dá publicidade”

A segunda: existem tantas coisas boas no mundo, e eu me pergunto: por que estas coisas não são divulgadas? Porque parece que agrada às pessoas ver as coisas más ou ouvir as notícias ruins. Pensemos na África: tantas coisas ruins, tantas guerras – como eu disse – mas existem os missionários, sacerdotes, irmãs, que “gastaram” toda a sua vida lá, pregando o Evangelho, na pobreza…. Quando no mês passado fui à África, encontrei uma irmãzinha…penso que tinha 83 anos, italiana, e me disse: “Eu estou aqui desde que tinha 26 anos”. E existem tantas famílias santas, tantos pais que educam bem os filhos. Por que não se vê na televisão uma família que educa bem, que educa bem um filho? Não se vê! Porque existe esta atração pelo mal: parece que agrada mais olhar as coisas más do que as coisas bonitas, as coisas grandes.

O diabo faz a sua parte – isto é verdade – mas também Deus faz a sua parte: tanta gente santa! Não somente nas missões, mas no mundo, no trabalho, nas famílias; tantos pais, tantos avôs e avós que seguem em frente doentes, com problemas; e isto não se vê na televisão. Por que? Por que isto não tem rating, não dá publicidade…. Aqui na Itália, descobri tantas associações, homens e mulheres, que doam parte do próprio tempo para assistir, para acompanhar, para cuidarem dos doentes. Isto é bom. Mas isto não se vê na publicidade. É verdade isto ou não? Se tu quiseres ter rating – quer jornalístico, televisivo ou o que quiseres – mostre somente as coisas ruins; com as coisas boas as pessoas se chateiam. Ou então não sabem apresentar e fazer bem as coisas, mostrar bem as coisas boas.

Quando tu (o Papa se dirige à criança que lhe fez a pergunta) olhares a televisão, na tua casa, recorda  destas duas coisas: existe uma luta no mundo entre o bem e o mal, existem tantas crianças que sofrem, existem as guerras, existem as coisas ruins, porque a luta é entre Deus e o diabo; mas pense também nas tantas pessoas, tantas pessoas santas, tanta gente que dá a sua vida para ajudar os outros, para rezar pelos outros.

Mas por que na televisão não se vê as monjas de clausura que passam a vida rezando por todos? Porque isto não interessa… Talvez interesse mais as joias de uma empresa importante, que fazem ver…as coisas que dão vaidade. Não nos deixemos enganar! No mundo existem coisas ruins, más, más e este é o trabalho do diabo contra Deus; mas existem coisas santas, coisas santas, coisas grandes que são obra de Deus. Existem os santos escondidos. Esta palavra, não a esqueçamos: os santos escondidos, aqueles que nós não vemos. De acordo?

Eu agradeço a vocês por tudo isto. Mas gostaria de ouvir uma outra canção para dizer se me agrada ou não como vocês cantam… E uma outra coisa: gostaria de ouvir repetir como era a vida cristã segundo Santo Agostinho. Como deve ser? [respondem: “Canta e caminha!”]. Canta e caminha! Segundo: quem é bom? [“Somente Deus é bom”].

SDS Bloco H - nº 26 - Sala 507 - Edfício Venâncio II

CEP: 70393-000 - Brasília - DF - Brasil (061) 32265540 - Fax: (061) 3225 3409 crb@crbnacional.org.br

2018 - CRB Nacional.org.br

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?