Primavera com cara de Outono

 

Mar de Histórias
                                                                          Mar de Histórias

 

 

 

Pe. Alfredo J. Gonçalves, cs

Amanhã, dia 23 de setembro, tem início a primavera no hemisfério sul. No Brasil, de um ponto de vista socioeconômico e político, a primavera começa com cara de outono (para não dizer inverno, o que pode parecer muito pessimista). Não seria exagero falar de um túnel sombrio, com pouca ou nenhuma luz ao final. Caminhamos às apalpadelas, como míopes que perderam os óculos. Debatemo-nos e tropeçamos com obstáculos, informações e comentários que, no mínimo, nos deixam com um sabor de amarga incerteza. Multiplicam-se por toda parte os sintomas deste período informe e indefinido.

As reformas em curso no Congresso Nacional caminham aos atropelos. Entre Senado e Câmara, emergem sinais de uma disputa subterrânea pelo protagonismo. Não bastasse isso, o conteúdo de tais reformas permanece dúbio, intrincado e nebuloso, revelando-se um terreno minado com armadilhas de todo tipo. De uma forma ou de outra, tem-se a impressão de que se reproduz o esquema da Casa Grande & Senzala: privilégios intocáveis para a primeira, favores eventuais para a segunda. Além do mais, na relação rumorosa e estridente entre os três poderes, voam farpas envenenadas e cheias de mal-entendidos.

Do lado da segurança, um fato trágico (e infelizmente corriqueiro) chama nossa atenção: Ágatha Félix, menina de oito anos, morreu hoje no hospital, após ser atingida ontem por uma bala perdida no Complexo do Alemão, Rio de Janeiro. Bala perdida? Que o digam os cariocas! São frequentes as vítimas dos tiroteios entre policiais e milicianos, e o ano de 2019 já contabiliza algumas mortes. Até o momento, nenhuma palavra das autoridades municipais, estaduais ou federais. Pesa sobre o ocorrido um silêncio de estridente indiferença. Triste, muito triste, quando por bagatelas palacianas, ergue-se tantas vezes um ruído sem fim de ataques, agressões, insultos e ofensas irracionais. Para os familiares de Ágatha, a primavera terá um gosto tempestuoso de inverno. Será essa a política de segurança pretendida pela bancada da bala?

O foco dos próximos dias, porém, encontra-se em outro lugar. Estamos às vésperas de dois eventos significativos: a 74ª Assembleia Geral da ONU, nos Estados Unidos; e Sínodo sobre a Amazônia, no Vaticano, este último com cerca de 250 participantes, em particular da região amazônica. Em ambos os casos, a temática sobre o clima e a preservação do meio ambiente ganhará espaço preponderante. Qual será a posição do Brasil? Ou melhor, existe uma política pública do atual governo brasileiro para a defesa da fauna e da flora em geral e da Amazônia em particular? Ao mesmo tempo, quais os planos e projetos para a defesa dos direitos dos povos indígenas, das comunidades quilombolas e das populações ribeirinhas?

O grande desafio, entre outros, está em resolver a difícil encruzilhada entre fontes de energia “limpas” e produção de alimentos. À medida que os combustíveis fósseis (carvão, petróleo e gás) se tornam vilões do aquecimento global, a pesquisa científica sobre alternativas energéticas tem concentrado boa parte de seus esforços sobre fontes de origem agrícola. Essa busca vem entrando em rota de colisão com a necessidade crescente de alimentos. Como conciliar as duas coisas em um nível simultaneamente local, regional e global? A resposta tem a ver com um novo modelo de produção de bens, com uma melhor distribuição das riquezas naturais e com uma nova convivência com “nossa casa comum”, nas palavras do Papa Francisco.

Voltando ao Brasil, as nuvens carregadas da primavera outonal adensam-se de forma particular na área da educação e da saúde. Verifica-se aí um desmonte sistemático com relação aos passos, embora lentos, que vinham sendo dados nas últimas décadas. O estudo permanente e a pesquisa no campo da ciência representam o alicerce de qualquer desenvolvimento sério e minimamente competitivo. Sobe quase que diariamente a busca por produtos e bens de qualidade. O que requer grossos investimentos na educação e saúde. Como fazer isso com os óculos míopes de quem enxerga comunistas por toda parte?

Pe. Alfredo J. Gonçalves, cs – Rio de Janeiro, 22 de setembro de 2019

Posts relacionados

Santos “Juninos”

Da mesma forma que falamos de “festas juninas”, não seria de todo estranho falar dos “santos juninos”. Em boa medida, aliás, as festas estão associadas

Leia mais »

Um hóspede inquietante

A expressão foi usada pelo filósofo alemão Nietzsche: “O niilismo está às portas: de onde vem ele, o mais inquietante entre os hóspedes”? (Cfr. Fragmentos

Leia mais »