Mais de 200 mil pessoas, dentre elas vários chefes de Estado, participaram neste sábado (23/05), em San Salvador, capital salvadorenha, da cerimônia de beatificação do arcebispo mártir, assassinado por ódio à fé, em 24 de março de 1980.

“Um homem de fé profunda e esperança inquebrantável”, disse o Prefeito da Congregação das Causas dos Santos, Cardeal Angelo Amato, que presidiu a missa de beatificação. A festa litúrgica de Dom Romero será em 24 de março, dia de sua morte.

A opção pelos pobres feita por Romero era evangélica, não ideológica

“O sangue do arcebispo mártir, derramado em 24 de março de 1980, se misturou no altar com o sangue redentor de Cristo. Homem virtuoso, sacerdote bom e bispo sábio. Amava Jesus, Maria, a Igreja e o seu povo. A sua opção pelos pobres não era ideológica, mas evangélica. Romero permanece ainda hoje conforto para os desfavorecidos e marginalizados da terra, luz das nações e sal da terra”, frisou o purpurado.

O martírio de Romero não foi uma improvisação

O Cardeal Amato recordou que o “martírio de Romero não foi uma improvisação, mas o ápice de um caminho espiritual. Com o seu tudo e com o meu nada faremos muito”, escreveu Dom Romero em seu diário quando era seminarista. O purpurado lembrou que uma reviravolta em sua vida de pastor manso e quase tímido aconteceu com a morte de Padre Rutilio Grande, em 12 de março de 1977, jesuíta salvadorenho, pároco dos campesinos oprimidos e marginalizados. “A partir daquele momento, ele recebeu do Espírito Santo o dom da fortaleza que o tornou cada vez mais explícito na defesa do povo oprimido e dos sacerdotes perseguidos”, disse ainda o Cardeal Amato.

Romero não é símbolo de divisão, mas de paz e fraternidade

“A sua caridade se estendia também aos perseguidores para os quais pregava a conversão ao bem. Portanto, ele não é símbolo de divisão, mas de paz, concórdia e fraternidade”, concluiu o purpurado.

Grande alegria entre os mais de 200 mil fiéis

Incontentável a alegria de milhares de fiéis reunidos na Praça do Divino Salvador do Mundo, em San Salvador. O postulador da causa de beatificação, Dom Vincenzo Paglia, recordou publicamente o testemunho luminoso do arcebispo mártir, assassinado durante a celebração eucarística pelos esquadrões da morte ligados ao governo militar, porque denunciava a violência do regime.

No altar a camisa azul manchada de sangue

“Com a missa de hoje”, disse Dom Paglia, “se cumpriu aquela celebração que foi interrompida pelo sangue” e a das exéquias igualmente marcadas pelo massacre perpetrado pelo Exército contra os fiéis. Vermelho, cor do martírio. No grande altar montado para a cerimônia foi exposta, junto com outras relíquias, a camisa azul de Dom Romero, manchada de sangue. A mensagem foi clara: a morte não venceu (MJ)

Fonte: Radiovaticana

 

SDS Bloco H - nº 26 - Sala 507 - Edfício Venâncio II

CEP: 70393-000 - Brasília - DF - Brasil (061) 32265540 - Fax: (061) 3225 3409 crb@crbnacional.org.br

2018 - CRB Nacional.org.br

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?