Apesar de você amanhã há de ser outro dia

 

O músico, compositor, dramaturgo e escritor Chico Buarque de Holanda foi o personagem homenageado com o Prêmio Camões de 2019. De acordo com a Wikipédia-enciclopédia livre, “instituído pelos governos de Brasil e Portugal em 1988”, o prêmio “é atribuído àqueles autores que contribuíram para o enriquecimento do patrimônio literário e cultural da língua portuguesa” Tendo sido agraciado neste ano, Chico Buarque tem direito a 100 mil euros oferecidos pelos dois países. Mas enquanto o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Souza já assinou o prêmio, o atual presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, até o momento se negou a fazê-lo.

A verdade é que a postura autoritária do nacionalismo populista de extrema direita, que tem emergido em várias partes do mundo, revela-se incapaz de conviver com o pluralismo cultural, religioso e multiétnico que caracteriza a sociedade contemporânea. A abertura diante do outro/diferente, de acolher, proteger, promover e integrar – para usar os 4 verbos do Papa Francisco – é logo batizada de ideológica. Porém, ao tentar extirpar pela raiz toda e qualquer forma de ideologia, seja no ensino básico ou na universidade, na ciência e na pesquisa ou nas várias formas de expressões artísticas, os governos nada mais fazem do que introduzir um outro tipo de ideologia. Entra em cena um pensamento retrógrado, obscurantista e extremamente avesso a toda espécie de crítica ou mudança do status quo.

Toda mente fechada teme o outro/diferente. O encontro com outrem, de fato, tende a interpelar a identidade de uma pessoa, um grupo ou uma determinada cultura. Tal identidade, longe de ser uma estrutura definitivamente cristalizada e inflexível, consiste em um processo dinâmico de formação contínua. Neste sentido, a presença do outro/diferente pode constituir uma ameaça ou uma oportunidade de crescimento recíproco. Obriga permanentemente a depurar, purificar e recriar nossos valores e nossa visão de mundo. Para os que possuem um pensamento cerrado, isolacionista e petrificado – como múmia fantasmagórica – o encontro será sempre uma ameaça. Donos de uma única ideia não sabem como mudá-la, porque nada têm de novo para substitui-la. Agarram-se a ela como um náufrago em águas bravias.

Disso resulta a alergia e a intolerância diante de quem usa a razão e a criatividade na tentativa de buscar alternativas à ordem estabelecida, seja como artista, cientista, pesquisador ou agente pastoral e/ou sociopolítico. Resulta também a vigilância e perseguição sistemática à pluralidade e diversidade de saberes, atitudes e comportamentos. Resulta, enfim, o retorno real, virtual ou simbólico a uma bolha conservadora, com o pretexto de preservar os “valores cristãos” ou de “proteger e salvaguardar a família”. O novo, a exemplo da irrupção vulcânica, provoca medo naqueles que desfrutam a riqueza, o poder e a influência; daqueles que vivem das benesses e dos privilégios dos cargos que ocupam. Nisso, a ordem instituída não é outra coisa senão a paz do cemitério, onde o luxo ostensivo de uns representa a morte a conta-gotas da maioria. Enquanto os primeiros têm seus crimes e malfeitos encobertos pela força da lei, os segundos, pela força da mesma lei, encontram-se expostos ao arbítrio de quem possui o comando.

Parabéns a Chico Buarque pelo Prêmio Camões, o qual, com ou sem assinatura de Bolsonaro, não lhe pode ser negado. Mas sobretudo parabéns pelas composições, os escritos e a música que tanto têm contribuído para o “enriquecimento do patrimônio cultural da língua portuguesa”. Chico permanece como figura de relevo para o mundo das letras, não obstante a mesquinhez de quem teme a abertura de novas “veredas” neste “grande sertão” da vida e da trajetória humana, para lembrar o poeta mineiro Guimarães Rosa. Ou não obstante o medo doentio de empreender a travessia “por mares nunca dantes navegados”, para não esquecer o poeta português que deu origem ao prêmio. Além da resposta de Chico Buarque de Holanda à não assinatura por parte do atual presidente – “é um segundo prêmio Camões” – cabe ainda o título de uma de suas composições: “apesar de você amanhã há de ser um outro dia”.

Pe. Alfredo J. Gonçalves, cs – Rio de Janeiro, 10 de outubro de 2019

Posts relacionados

Santos “Juninos”

Da mesma forma que falamos de “festas juninas”, não seria de todo estranho falar dos “santos juninos”. Em boa medida, aliás, as festas estão associadas

Leia mais »

Um hóspede inquietante

A expressão foi usada pelo filósofo alemão Nietzsche: “O niilismo está às portas: de onde vem ele, o mais inquietante entre os hóspedes”? (Cfr. Fragmentos

Leia mais »