Seminaristas encerram Congresso Missionário aos pés de Nossa Senhora da Piedade

Por Guilherme Cavalli|14.0.2015| Após percorrerem o dia do Caminho, do Encontro e da Conversão, o domingo (12) para os congressistas foi o dia do Envio. O sentimento geral era de satisfação pela experiência vivida. Com passos firmes, cabeça erguida e coração aberto, os participantes do 2º Congresso Missionário Nacional de Seminaristas peregrinaram de ônibus até a Serra da Piedade, em Caeté, a 48 quilômetros de Belo Horizonte.

Os últimos três quilômetros foram percorridos a pé com paradas para meditar e repercutir o conteúdo do Congresso. Cantos, orações e testemunhos dos seminaristas se misturavam com manifestações de fé dos romeiros que subiam a Serra em direção a Mãe da Piedade. O hino do Congresso reafirmava a Igreja em saída missionária. No alto, onde céu e terra se uniam, na igreja lotada de romeiros, o  grupo de 268 futuros presbíteros e demais congressistas participaram da celebração de envio presidida por dom Walmor Oliveira de Azevedo, arcebispo de Belo Horizonte. A Eucaristia foi concelebrada por dom Esmeraldo Barreto de Farias, bispo auxiliar de São Luís (MA) e presidente da Comissão para a Ação Missionária da CNBB, dom José Lanza Neto, bispo da diocese de Guaxupé (MG), padre Camilo Pauletti, diretor das Pontifícias Obras Missionárias, padre Nivaldo Ferreira dos Santos, presidente Organização dos Seminários e Institutos do Brasil, além de 25 presbíteros presentes.

Em sua homilia, dom Walmor destacou o esforço necessário para que o processo formativo dos seminários seja qualificado e contemple o sujeito em todas suas dimensões. Assim, o arcebispo destacou a corresponsabilidade entre seminaristas e formadores para forjar o missionário presbítero. “Um coração missionário é construído pouco a pouco e para isso é preciso um trabalho conjunto entre equipe formadora e o próprio seminarista. Por isso e para isso, queremos que este encontro seja muito fecundo e abençoado para todos que participaram e para os reitores que aguardam os que retornam”.

Ao dedicar maior parte da sua pregação aos seminaristas, dom Walmor salientou a figura do presbítero na atividade pastoral de educador na fé do povo de Deus. “É preciso sempre recordar que o padre que seremos, no jeito e no modo, será determinante no momento de ajudar o povo de Deus a viver a sua missão. Se nós bispos, padres, seminaristas, consagradas e evangelizadores não tivermos um coração missionário, será  podada também a missionariedade das nossas comunidades”, ressaltou dom Walmor. “Digo isso por que quando, lamentavelmente, encontramos padres que são autoridades, também encontramos evangelizadores autoritários repetindo a mesma dinâmica dos padres. Por isso, se nós todos tivermos um coração missionário, faremos acender uma forte chama missionária no coração da nossa Igreja”.


Após a missa, a procissão deixou a Igreja das Romarias ao som de uma banda marcial e se dirigiu até a Ermida de Nossa Senhora da Piedade, capela com quase 250 e que abriga a escultura da Padroeira de Minas feita por Aleijadinho. Sob o céu azul anil, o grupo de seminaristas reafirmou sua missão com o poema do saudoso dom Helder Camara, destacando que “missão é partir até os confins do mundo”.

Abençoados e enviados, os seminaristas entraram na casa da Mãe da Piedade para agradecer as graças recebidas durante o Congresso.  (Fonte: POM)

Confira fotos no Facebook das POM

 

Posts relacionados

É Advento!

É Advento! Tempo de caminhar na esperança! Tempo de esperançar! Tempo de estar vigilantes e atentos aos sinais dos tempos! Atentos aos sinais de que

Leia mais »