O Negrinho do Pastoreio

Na sequência da Semana da Pátria, o Rio Grande do Sul se mobiliza para a Semana Farroupilha. As palavras tradição, tradicionalistas, tradicionalismo ganham maior destaque nestes dias. Uma grande festa que acontece nos mais diferentes pontos do estado, mas que se estende a muitos outros lugares além das fronteiras gaúchas. Há manifestações de orgulho até análises muito críticas dos acontecimentos passados. Comemorações que mexem com todos os habitantes deste estado.

É um tempo de cultivar a tradição. A tradição é um meio de conservação de ideais, de valorizar experiências passadas de um povo, de transmitir valores culturais e espirituais para a geração presente. Isto é visibilizado nas mais diferentes manifestações folclóricas e culturais. A poesia, a música, os contos e as lendas contextualizados no meio físico e sociológico rio-grandense resgatam estes tempos.

Uma bela lenda que merece ser refletida é a do “Negrinho do Pastoreio”. Retomo parte dela, mas que merece ser lida integralmente. Diz a lenda que um rico estancieiro era extremamente mau. Só olhava para três viventes: o filho, o cavalo baio e para um pequeno escravo, sem nome, chamado Negrinho. “A este não deram padrinhos nem nome; por isso o Negrinho se dizia afilhado da Virgem, Senhora Nossa, que é a madrinha de quem não a tem.”

Um dia os vizinhos apostaram uma corrida de cavalo. O Negrinho montou o baio do estanceiro, mas perdeu. Por causa disso o estancieiro deu-lhe uma surra de relho e o colocou em castigo por trinta dias cuidando da tropilha de trinta tordilhos negros. Já sem forças e morto de fome o Negrinho cai no sono e a tropilha foge.

Novamente leva outra surra de relho e o estancieiro manda procurar a tropilha. “Rengueando, chorando e gemendo, O Negrinho pensou na sua madrinha Nossa Senhora e foi ao oratório da casa, tomou o coto de vela aceso em frente da imagem e saiu para o campo. … por onde o Negrinho ia passando, a vela benta ia pingando cera no chã: e de cada pingo nascia uma nova luz, e já eram tantas que clareavam tudo”. Recolheu a tropilha. E se riu. Adormeceu. Enquanto isso, o filho do estancieiro enxotou os cavalos.

Veio a terceira surra de relho e as suas carnes ficaram recortadas e o sangue correndo pelo seu corpo. “O Negrinho chamou pela Virgem sua madrinha e Senhora Nossa, deu um suspiro triste, que chorou no ar como uma música, e pareceu que morreu…” O estancieiro para não fazer uma cova atirou o corpo do Negrinho num grande formigueiro.

Por três noites, o estancieiro foi atormentado pelo mesmo sonho. Não conseguiu recuperar a tropilha e então resolveu voltar ao formigueiro. “Qual não foi o seu grande espanto, quando chegando perto, viu na boca do formigueiro o Negrinho de pé, com a pele lisa, perfeita, sacudindo de si as formigas que o cobriam ainda!… O Negrinho, de pé, e ali ao lado, o cavalo baio e ali junto, a tropilha dos trinta tordilhos… e fazendo-lhe frente, de guarda ao mesquinho, o estancieiro viu a madrinha dos que não a têm, viu a Virgem, Nossa Senhora, tão serena, pousada na terra, mas mostrando que estava no céu… Quando tal viu, o senhor caiu de joelhos diante do escravo”.

Uma bela lenda contextualizada na tradição rio-grandense e que faz refletir.

Dom Rodolfo Luís Weber
Arcebispo de Passo Fundo
15 de setembro de 2017

Posts relacionados

Dia da Caridade

        Dom Rodolfo Luís Weber No dia 10 de maio de 2016, foi promulgada a lei Nº 5197 que institui o dia

Leia mais »

Férias

  Muitas pessoas, nesta época do ano, têm a oportunidade de fazer as suas merecidas férias. Interromper a rotina de trabalho, de estudos e de

Leia mais »