CNBB realiza 58ª Assembleia Geral

 

De 12 a 16 de abril acontece a 58ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

A CNBB possui 278 circunscrições eclesiásticas, um total de 475 bispos hoje, dos quais 309 exercendo alguma missão e função de governo mais 166 bispos eméritos (aposentados). 

Neste ano, a Assembleia Geral dos Bispos, que sempre acontece na segunda semana depois da Páscoa, realiza-se em plataforma on-line, em decorrência da pandemia do novo coronavírus.

Tema central da Assembleia e outros temas deste ano

O tema central da Assembleia diz respeito ao Pilar da Palavra proposto pelas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE 2019-2023). Mesmo sem a possibilidade de votação de um documento, será debatido o tema “Casas da Palavra – Animação bíblica da vida e da pastoral nas comunidades eclesiais missionárias”.

Os bispos vão abordar também outros 30 assuntos previstos estatutariamente sobre a vida da Igreja e a evangelização no Brasil, entre os quais a análise de conjuntura; o Ano Vocacional previsto para 2023; os anos temáticos de São José e Família Amoris Laetitia, convocados pelo Papa Francisco; o Colégio Pio Brasileiro, em Roma, as Comissões, organismos e Regionais; a criação do Regional Leste 3, as Edições CNBB, o Fundo Nacional de Solidariedade (FNS) e a pandemia do novo coronavírus.

O episcopado brasileiro também aprovará mensagens a serem enviadas ao Papa Francisco, à Congregação para o Clero da Sé Apostólica e ao povo brasileiro. Durante a assembleia, também serão apresentados os relatórios do presidente e do ecônomo. Esse também é o primeiro encontro do episcopado com a presença do novo núncio apostólico no Brasil, dom Giambattista Diquattro, que terá uma audiência on-line com os participantes. O arcebispo de Boston, nos Estados Unidos, cardeal Seán Patrick O’Malley, será o pregador da manhã de retiro, no dia 15 de abril.

Destaques do primeiro dia

Os destaques para a programação do primeiro dia, são as solenidades de abertura, com início às 7h30 (abertura da Assembleia, acolhida oficial e acolhida do Presidente da CNBB, dom Walmor Oliveira de Azevedo, arcebispo de Belo Horizonte-MG). Às 8h50, fala do novo Núncio Apostólico do Brasil, dom Giambattista Diquattro. Foi a primeira vez que ele se dirigiu ao episcopado brasileiro reunido em Assembleia. Ainda na primeira sessão, na parte da manhã, foram apresentados o relatório bienal 2019-2020, organizado pelo Presidente da CNBB, a mensagem do Santo Padre à assembleia e aos bispos do Brasil e abordado o tema dos ministérios concedidos às mulheres pelo Papa Francisco. Também foram apresentados o relatório econômico e o tema central. Os destaques do período da tarde foram análises de conjuntura eclesial e social e a programação de atividades dos anos Amoris Laetitia e Josefino, em 2021.

O caráter da Assembleia Geral deste ano

O bispo auxiliar do Rio de Janeiro e secretário-geral da CNBB, dom Joel Portella Amado, explica que a legislação canônica geral e a legislação própria da Conferência da CNBB não permitem que se realizem votações de modo virtual em razão do formato on-line, novidade não prevista no regimento.

Frente a esse limite, o Conselho Permanente da CNBB, órgão que define e encaminha a realização do evento, optou por realizar uma Assembleia sem votações que impliquem alterações ou consequências de natureza legislativa para a Conferência. Por outro lado, as votações de natureza pastoral poderão ocorrer, como acontece normalmente sobre as mensagens que a Conferência envia ao povo brasileiro.

Posts relacionados

Nota do CIMI

Nota do Cimi O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) manifesta sua solidariedade ao povo Guarani e Kaiowá e cobra justiça pelo assassinato de Vitor Fernandes “Eu

Leia mais »