Portal

2º Dia da Novena Missionária “Missão para libertar”

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no telegram
Telegram

Por Jaime C. Patias| 08.10.14| Nunca houve tantos escravos na história da humanidade como hoje: são as vítimas contemporâneas do tráfico humano. O conceito inclui tráfico para a exploração do trabalho; para a exploração sexual; para a extração de órgãos; e tráfico de crianças e adolescentes. É um crime organizado transnacionalmente, vinculado a interesses poderosíssimos.

Em sintonia com a Campanha da Fraternidade, a Campanha Missionária retoma esse tema como um desafio para Igreja e propõe como tema “Missão para libertar” e lema: “Enviou-me para anunciar a libertação” (Lc 4,18). A reflexão se encontra no 2º dia da Novena Missionária que pode ser realizada em família, com amigos, grupos ou com a comunidade.

Acesse aqui o 2º Dia da Novena no Livrinho

Assista ao DVD da Campanha Missionária, 2º Dia da Novena

Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), em dados de 2012, as vítimas do tráfico humano somam 21 milhões, muitas delas no trabalho forçado (14,2 milhões), e na exploração sexual (4,5 milhões), além de tráfico de órgãos e adoção ilegal. Os países mais afetados são: Índia: 14 milhões; China: 3 milhões; Paquistão: 2,1 milhões; Nigéria: 705 mil pessoas; Etiópia: 650 mil pessoas. O Brasil é um dos países de origem, de trânsito e destino dessa prática criminosa, sendo responsável por 15% das pessoas exportadas da América Latina para a Europa.

Na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium, o papa Francisco afirma que se vive hoje o fetichismo do dinheiro, sob a ditadura de uma economia sem orientação antropológica, que reduz o ser humano ao consumo e que tende a devorar tudo para aumentar os benefícios de poucos (EG, 53-60). O caso do tráfico de pessoas é o maior símbolo desse fetichismo, uma vez que corpos de milhões de pessoas são reduzidos à condição de meras mercadorias, objeto de lucro e prazer. A cultura atual é conivente indireta do tráfico humano e faz da sociedade uma consumidora de pornografia.

Fonte: POM

Publicações recentes