Migrantes na globalização silenciosa e silenciada

 

 

 

 

 

Pe. Alfredo J. Gonçalves, cs

A globalização tem seus agentes renomados, suas marcas mundialmente conhecidas, seu marketing apelativo e estridente, suas redes capilares entrelaçadas por todo o planeta. Tem também seus novos “caminhos da seda”, por onde circulam o volume do capital e o conjunto das mercadorias, ligando o Oriente ao Ocidente, o Sul ao Norte, as economias centrais aos países periféricos e/ou emergentes. Através da Internet, tem ainda suas redes virtuais de comunicação, criada à própria imagem e semelhança.

Entretanto, ao lado dessas figuras que desfilam hoje pelo palco profusamente iluminado, a globalização dispõe igualmente de obscuros, labirínticos e tortuosos bastidores. Por estas vias sombrias, movem-se milhões e milhões de pessoas, tentando construir um amanhã menos penoso e brutal. Quase sempre invisíveis e inobservadas, às vezes emergem dos porões da sociedade, com manifestações momentâneas e eloquentes, pelas inóspitas encruzilhadas dos caminhos – um verdadeiro clamor que se ergue aos céus.

Trata-se de uma multidão sem nome e sem rosto, sem endereço fixo e sem horizonte. São migrantes, refugiados, prófugos, exilados, expatriados, apátridas, marítimos, trabalhadores temporários ou itinerantes – gente que se desloca na esteira da riqueza e da tecnologia, das mercadorias e das informações, dos megaempreendimentos e das rotas do turismo. À sombra da economia formal, marcham sub-repticiamente verdadeiros exércitos de trabalhadores sem os documentos legais, num vaivém que percorre veredas cada vez mais complexas, as quais muitas vezes cruzam e recruzam com as “estradas reais” do dinheiro e da renda

Multidões que procuram superar todo tipo de adversidade, rompem obstáculos, leis e fronteiras, dando origem a uma economia subterrânea, mas nem por isso menos extensiva a todos os cantos do mundo. Fazem circular produtos que, em boa parte, tomam emprestadas as marcas famosas e consolidadas, fabricando bugigangas e bijuterias de toda sorte, num comércio que corre paralelo, à sombra ou submerso à economia oficial. Uma atividade intensa e buliçosa, mas simultaneamente silenciosa e silenciada. Uma história dos migrantes nem sempre contada.

Para quem se encontra num processo de fuga – seja das guerras, da pobreza ou das catástrofes climáticas – a pressa se impõe. Não há tempo a perder. Deve refazer a própria vida em tempo breve, da forma mais rápida possível. A vergonha das “mãos vazias” costuma ser o pesadelo do migrante. Por isso, e devido ainda a uma situação de extrema vulnerabilidade, os estrangeiros sem trabalho tornam-se presas fáceis de um recrutamento que, a cada esquina, está à espreita para dar o golpe. E são recrutáveis não somente para o comércio informal, mas por vezes para o tráfico de drogas, armas e até seres humanos.

A grande maioria nada pretende além de emprego, teto e pão. Um simples solo pátrio que possa acolher e abrigar seu sonho de um futuro menos tumultuado. Porém, apesar de braços fortes e disponíveis para o trabalho, raramente encontram as portas abertas. Rechaçados do palco cheio de luzes, cores e sons, escondem-se atrás das cortinas, buscando nos obscuros bastidores o que lhes é negado de forma legal à luz do sol. Daí a queda previsível e à vezes sem retorno nas armadilhas cuidadosamente preparadas pelo mundo do crime organizado.

Que outras alternativas construir? Como desenvolver relações humanamente justas e solidárias entre os países de origem e países de destino? Em vez de muros, que tipo de pontes erguer entre um polo e outro? E como, entre lugares de saída e lugares de chegada, passando pelas barreiras do trânsito, respeitar os direitos e a dignidade da pessoa humana?

Pe. Alfredo J. Gonçalves, cs – Santos – SP, 14 de de novembro de 2019

Posts relacionados

Santos “Juninos”

Da mesma forma que falamos de “festas juninas”, não seria de todo estranho falar dos “santos juninos”. Em boa medida, aliás, as festas estão associadas

Leia mais »

Um hóspede inquietante

A expressão foi usada pelo filósofo alemão Nietzsche: “O niilismo está às portas: de onde vem ele, o mais inquietante entre os hóspedes”? (Cfr. Fragmentos

Leia mais »