Unidade no essencial

No dia 20 de abril terminou a 56ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB – que teve como tema central a aprovação de “Diretrizes para a formação dos presbíteros na Igreja do Brasil”. São diretrizes que foram aprovadas, isto é, direcionamentos essenciais que devem ser seguidos em todos os Seminários e Casas de Formação de padres no Brasil para manter a unidade da Igreja. As diretrizes aprovadas aplicam para o Brasil a “Ratio Fundamentalis Institutiones Sacerdotalis (O Dom da Vocação Presbiteral), de 08 de dezembro de 2016, da Congregação para o Clero do Vaticano, que traça diretrizes universais da formação de presbíteros.

É dessa maneira que a Igreja Católica vive a unidade. Cada diocese deve seguir as orientações gerais e maiores, mas isto não impede de tomar iniciativas locais. Uma diretriz maior não diminui a criatividade local, pois o esforço de aplicar a norma geral cabe a cada diocese. Desse modo se mantém a unidade nas coisas essenciais. Ter diretrizes gerais para a formação é uma necessidade, pois o padre atua em nome da Igreja e a repercussão do seu trabalho pastoral ultrapassa os limites locais.

O objetivo das diretrizes é formar presbíteros. O referencial absoluto é Jesus Cristo, mestre, sacerdote e pastor. O processo formativo procura levar progressivamente o candidato a configurar-se a Cristo no modo de pensar, de agir e abraçar a missão de anunciar do Evangelho.

As Diretrizes aprovadas oferecem elementos progressivos da formação presbiteral. O ponto de partida é o contexto atual do mundo, com seus desafios e possibilidades. É dentro deste contexto que nasce, cresce e se desenvolve a opção vocacional dos jovens. O primeiro desafio para o jovem é se conhecer, dar-se conta de suas habilidades, seus gostos, seus dons. Em linguagem religiosa falamos fazer o discernimento e a opção vocacional a partir da fé. Cremos que no plano amoroso de Deus há um chamado para cada batizado. É no diálogo de fé que vai acontecendo o primeiro discernimento vocacional. Escolher bem permite viver uma vida mais realizada e feliz.

Dados os primeiros passos, o processo formativo presbiteral vai direcionando os candidatos para a formação mais específica que acontece no seminário maior. Numa visão de conjunto são trabalhadas cinco dimensões. Em primeiro lugar, vem a dimensão humana que é o fundamento de toda formação presbiteral. É promover o crescimento integral do formando para atingir a maturidade necessária para o futuro exercício do ministério ordenado. Uma segunda dimensão é a comunitária capacitando para a convivência fraterna e ser líder de uma comunidade. A dimensão espiritual leva a cultivar uma profunda comunhão com Deus e o seguimento de Jesus Cristo. Alimentar-se de Deus para ser dispensador das graças divinas aos fiéis. A quarta dimensão é a pastoral-missionária, pois os chamados foram escolhidos e são enviados para conduzirem o povo de Deus, a exemplo de Jesus Cristo o Bom Pastor. A quinta dimensão é a formação intelectual que se desenvolve normalmente através das faculdades de filosofia e de teologia. As dimensões são desenvolvidas simultânea e harmonicamente.

A unidade da Igreja não é feita só de boas intenções, mas é feita através de instrumentos de trabalho, de ajuda mútua. A CNBB, ao elaborar conjuntamente as diretrizes, faz este exercício de comunhão, de partilha e unidade no essencial.

Dom Rodolfo Luís Weber
Arcebispo de Passo Fundo
20 de abril de 2018

Posts relacionados

Dia da Caridade

        Dom Rodolfo Luís Weber No dia 10 de maio de 2016, foi promulgada a lei Nº 5197 que institui o dia

Leia mais »

Férias

  Muitas pessoas, nesta época do ano, têm a oportunidade de fazer as suas merecidas férias. Interromper a rotina de trabalho, de estudos e de

Leia mais »