Fraternidade e superação da violência II

Durante o tempo litúrgico da quaresma, a Igreja Católica está realizando a Campanha da Fraternidade 2018: “Fraternidade e superação da violência”. Este e os próximos artigos vão refletir sobre o tema, tendo como referência o texto base elaborado pelos coordenadores da campanha. A metodologia usada para tratar do tema é ver, julgar e agir. O presente texto é focado no ver a realidade da violência. Um fenômeno que está aumentando, não é isolado, é complexo nas origens e nas suas manifestações, traz sérias consequências para as vítimas, para os agressores e para toda sociedade. Além disso, os atuais métodos para diminuir a violência não estão sendo efetivos.

O tema da violência é uma das principais pautas do cotidiano e não faltam razões para tal. O Brasil tem menos de 3% da população mundial, mas concentra 13% dos assassinatos do planeta, somando-se em torno de 60.000 mortes por ano. Lançando um olhar sobre o perfil das vítimas, constata-se que alguns grupos são mais vítimas que outros. Também, saltam aos olhos as vítimas do trânsito.

A complexidade do tema faz perguntar sobre as fontes geradoras do problema, sobre as dimensões da violência. A análise deve começar em cada pessoa: Eu também sou violento!? Quais são as violências que pratico!? Como me sinto depois de um ato violento!? Como são elaborados e curados os sentimentos de raiva, ciúmes, indignação e os desejos de vingança? Como disse Jesus Cristo, a origem de todos os males está no coração humano.

Existimos e sobrevivemos graças aos outros. Tornamo-nos pessoas e nos humanizamos no relacionamento interpessoal. A presença do outro, ao mesmo tempo em que me ajuda, também me desafia gerando confrontos, tensões que podem resultar em agressões verbais e físicas. É famosa a frase de Sartre: “O inferno são os outros” (Claro, uma interpretação mais correta e completa exige colocar a afirmação dentro do texto original).

Muitas estruturas sociais também são fontes originadoras de violência: a pobreza, o endeusamento dos bens materiais, a marginalização, o desemprego, a corrupção, privilégios legais, mas imorais, a falta de acesso a uma educação de qualidade e de políticas públicas de saúde impedem o desenvolvimento digno da pessoa. Um fator agravante da violência, nas últimas décadas, está relacionado com o tráfico de drogas e seu consumo, sejam as legais e as ilegais. O acesso à justiça é seletivo gerando injustiças. Teoricamente todos são iguais perante a lei, mas na prática isto não é verdade.

Não pode ser esquecida a dimensão cultural da violência. A “violência cultural” remete a ideia de cultivo. Ela é resultado dos próprios mecanismos que a formam e a reproduzem no dia a dia. A sociedade cultiva condições que resultam em violência, mas não reconhece isto como agressão; por exemplo: “não se leva desaforo para casa”. Produções culturais como filmes, novelas, músicas, desenhos animados, literaturas etc… que atraem a atenção, estimulam adrenalina e cultual a agressividade.

São alguns elementos para olhar a complexa realidade da violência. Ver as causas, além das aparências, é necessário para encontrar saídas adequadas.

Dom Rodolfo Luís Weber
Arcebispo de Passo Fundo
23 de fevereiro de 2018

Posts relacionados

Dia da Caridade

        Dom Rodolfo Luís Weber No dia 10 de maio de 2016, foi promulgada a lei Nº 5197 que institui o dia

Leia mais »

Férias

  Muitas pessoas, nesta época do ano, têm a oportunidade de fazer as suas merecidas férias. Interromper a rotina de trabalho, de estudos e de

Leia mais »