Seminário Pan-Amazônico encerra, em Manaus

Por Nadia Caetano e Rosinha Martins|


“Além de nossas cuias, levamos paneiros e redes, tecidas de sonhos e de desejos, ocupando brechas que abrem novos rios de vida abundante para todos e todas”.

Terminou na tarde deste domingo, 09, o Seminário Pan-Amazônico, organizado pela Confederação Latino-americana e Caribenha de Religiosos e Religiosas, em parceria com a CRB Nacional – Conferência dos Religiosos do Brasil.

O Evento contou com a participação e assessoria de Antropólogos, teólogos, biblistas, religiosos missionários que atuam região Pan-Amazônica, que inclui os países da Bolívia, Venezuela, Equador, Peru, Colômbia, Guiana, Guiana Francesa, Suriname e Brasil.

Em sua fala o doutor em Filosofia, Antropologia e Lingüística, atuante na missão junto aos indígenas bolivianos, o sacerdote jesuíta Padre Xavier Albó, entre outras colocações deu ênfase à arte do bem viver como uma das expectativas a serem alcançadas no exercício da missão na Amazônia.

“O que é o bem viver? Alguns  nos dirão que bem-viver é tomar muita cerveja ou andar por aí, a “La dolce vita” como dizem os italianos. Porém os povos indígenas quando dizem da arte do bem-viver, tem um outro conceito. Sendo interrogados Aymaras da Bolívia,  por estudioso  alemão sobre o conceito de desenvolvimento, responderam que em seus dicionários não existia essa palavra, e que a eles não interessava o desenvolvimento e sim “soma camaña”, aymara, o que quer dizer “bem-viver”.

E viver bem significa que todos vivam bem. O contrário de viver bem não é viver melhor, porque viver melhor significa viver melhor que outros, ter mais possibilidades  e outros vivem marginalizados.

E o missionário continua: “Logo, viver bem, para mim, então é como algo que é conectivo, que serve para todos e que portanto se opõe a todos programas os programas de desenvolvimento que fazem com que uns vivam melhor que outros. O conceito de viver bem deve ser algo inclusivo, que não seja propriedade de poucos, afirmou.

A Teóloga Irmã Vera bombonato relatou sobre o papel da teologia no processo de reflexão sobre os desafios, importância e missão na Amazônia: “ Nesse processo do bem –viver  a teologia ocupa um lugar central por ser a inteligência da fé, pois ajuda a compreendê-la. Ela tem também a função de iluminar a nossa práxis; traz Deus mais para perto de nós. Essa é a sua função da teologia: iluminar os caminhos, trazer Deus mais para perto de nós, ajudar a compreender o momento histórico, o projeto de Deus  a a fim de que este possa ser realizado.

Segundo a Biblista, Irmã Zenilda, a Palavra de Deus ocupa um lugar fundamental na reflexão e na missão cotidiana na Amazônia.“É necessário evidenciar a importância Palavra de Deus neste contexto da Amazônia. Nós cremos que ela criou tudo e certamente quando Deus criou a Amazônia, percebeu que isso aqui era muito bom, ficou feliz com a criação deste novo paraíso.

Nós, Igreja, Vida Consagrada, Cristãos, Servidores do Reino, Evangelizadores, necessitamos de novas sensibilidades para bem fazer uma leitura bíblica, menos dogmática, menos doutrinária, que resgate o Deus da vida, o Deus da Criação, que faça perceber o quanto a Palavra de Deus já nos antecipa nesta realidade.

A nós cabe ter um olhar sagrado, sacramental para percebermos melhor essa Palavra já encarnada em nossa realidade amazônica. E como biblista gostaríamos de contribuir que se evidencie essa Palavra viva de Deus na realidade. Os nossos povos, as nossas comunidades são extremamente sensíveis para com ela. E uma leitura bíblica bem contextualizada, bem fundamentada, bem situada ajuda-nos profundamente a defender a vida na Amazônia.

Os desafios da missão na realidade dos países que compõem o bioma amazônico tem sido desafiantes pelas dificuldades sócio-políticas e econômicas: “Estamos trabalhando numa fronteira e fronteira supõe sempre relações com governos diferentes, cada um com sua realidade, com suas leis, sua maneira de ser, famílias dos dois lados da fronteira o que gera constantes conflitos; a maioria dos caminhos é via rio, o que gera dificuldades; a guerrilha na divisa com Colômbia e Equador.

Ser missionário é como diz nosso carisma, é levar a consolação que vem de Deus, por meio da Virgem Maria”, disse o Irmão Julio Caldeira que atua na tríplice fronteira: Colômbia, Equador e Peru.

O Seminário contou, ainda com a participação e colaboração do sacerdote Jesuíta, Padre Fernando, membro da Equipe Itinerante na Amazônia. Padre Fernando ressaltou em sua fala a importância da formação mística e profética para a missão Amazônia. Uma espiritualidade para a missão nas fronteiras requer uma atitude de profunda confiança no amor do Pai.

Lembrou ao grupo o pensamento iluminador de Dom Helder Câmara: “Aceita as surpresas que transtornam teus planos, derrubam teus sonhos, dão rumo totalmente diverso ao teu dia e, quem sabe, a tua vida. Não há acaso. Dá liberdade ao Pai, para que Ele mesmo conduza a trama de teus dias”.

Além dos momentos de reflexão, o grupo pode fazer experiências de convivência e oração permeadas pela cultura e a espiritualidade própria da Amazônia.

Esteve presente em todos os momentos do Seminário, o presidente da Comissão para a Amazônia, da Conferência dos Bispos do Brasil(CNBB), o Cardeal Dom Claudio Hummes, que manifestou a sua satisfação em estar um  grupo que manifesta amor pela missão na Igreja e pela Amazônia.

“Cheguei aqui feliz e volto mais feliz ainda por encontrar pessoas tão entusiasmadas e comprometidas com os povos desta terra e com a defesa da vida”, disse.

O segundo Seminário Pan-Amazônico acontecerá em 2013. O evento teve seu termino com a elaboração de uma mensagem final para a Igreja, a Vida Religiosa e a sociedade em geral, definição de linhas de ação, estratégias e atividades que garantam a inter-institucionalidade e intercongregacionalidade para uma Evangelização nos países afins, em vista da defesa da vida.

Posts relacionados

Conclusão do CERNE 122

Com Celebração Eucarística presidida por Frei João José dos Santos, membro da Regional de Curitiba da CRB, foi concluída a edição 122 do CERNE –

Leia mais »

CERNE 122 – Quarta semana

Em um clima de convivência, oração, partilha e estudo, seguem, em Curitiba, no Provincialado das Irmãs da Divina Providência, as atividades da quarta semana do

Leia mais »

Começou o CERNE 122

No dia 11 de setembro, na Casa de Retiros das Irmãs da Divina Providência, em Curitiba, iniciou a edição 122 do Centro de Renovação Espiritual

Leia mais »