NOTA DE SOLIDARIEDADE – Irmãs Paulinas

À Arquidiocese de Belo Horizonte e ao povo de  Brumadinho

Nós, Filhas de São Paulo (Irmãs Paulinas), com a missão de colocar a “comunicação a serviço da vida”, sentimo-nos atingidas pelo  crime ambiental e social ocorrido em Brumadinho (MG), dia 25 de janeiro, memória da conversão de São Paulo, que proclama: “toda a criação, geme e agoniza como que em dores de parto, até o momento presente” (Rm 8,22 ).

Diante disto,  nos solidarizamos com a dor das famílias atingidas por esta tragédia, lamentando perdas irreparáveis de pessoas, ambientais e materiais.

Nós, Paulinas, também nos sentimos solidárias com a  Arquidiocese de Belo Horizonte, crendo que “é urgente minimizar a dor dos atingidos, acompanhar de perto a atuação das autoridades e apurar os responsáveis por mais este triste e lamentável episódio, chaga aberta no coração de Minas Gerais. Que a justiça seja feita”. (Dom Walmor Oliveira de Azevedo, arcebispo de Belo Horizonte).

Lamentamos a agressão ambiental que, o rompimento da barragem de rejeitos em Brumadinho, causou. O papa Francisco afirma na Carta Encíclica Laudato sì: “O meio ambiente é um bem coletivo, patrimônio de toda a humanidade e responsabilidade de todos. Quem possui uma parte é apenas para a administrar em benefício de todos. Se não o fizermos, carregamos na consciência o peso de negar a existência aos outros” (LS 95).

Lamentamos a inversão de valores que prioriza o lucro em detrimento da vida como lembra a  Laudato sì : “Sempre se verificou a intervenção do ser humano sobre a natureza, que durante muito tempo teve a característica de acompanhar, secundar as possibilidades oferecidas pelas próprias  coisas; mas o ser humano e as coisas deixaram de se dar amigavelmente a mão, e passa-se facilmente à ideia dum crescimento infinito ou ilimitado, que tanto entusiasmou os economistas, os teóricos da finança e da tecnologia. Isto supõe a mentira da disponibilidade infinita dos bens do planeta, que leva a «espremê-lo» até ao limite e para além do mesmo. Os efeitos da aplicação deste modelo a toda a realidade, humana e social, constatam-se na degradação do meio ambiente, mas isto é apenas um sinal do reducionismo que afeta a vida humana e a sociedade em todas as suas dimensões. ” (LS 106-107).

Unimo-nos a todos que seguem com interesse os desdobramentos e pedimos  a revisão do marco regulatório, a avaliação dos  órgãos de controle e atenção necessária às pessoas, aos povoados e, à natureza prejudicados.

Não tem como nos omitir, pois como diz o apóstolo Paulo, “somos membros uns aos outros” (Ef 4,25).

São Paulo, 27 de janeiro de 2019

Irmã Maria Antonieta Bruscato, superiora provincial

Pelas Irmãs Paulinas

Posts relacionados

TERÇO DA VIDA CONSAGRADA

Rezemos pela vocação à Vida Consagrada com os Mistérios da Alegria (Gozosos). A cada mistério, uma intenção especial, dentro da variedade das expressões de vida

Leia mais »