Nomeação de 14 novos cardeais

O Papa anunciou que no dia “29 de junho, terei um consistório para a nomeação de 14 novos cardeais. Sua proveniência expressa a universalidade da Igreja que segue anunciando o amor misericordioso de Deus a todos os homens da terra”. A inclusão destes novos cardeais na diocese de Roma, explicou, “manifesta o forte vínculo entre a Santa Sé de Pedro e as Igrejas particulares difundidas pelo mundo”.

Estes são os nomes dos novos cardeais, que receberão o barrete das mãos de Francisco durante o próximo Consistório,  no dia 29 de junho:

– Luis Raphael I Sarko, patriarca de Babilônia dos Caldeus, no Iraque;

– Luis Ladaria Ferrer, jesuíta espanhol que desde 1º de julho de 2017 é o Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé;

– Angelo De Donatis, Vigário de Roma;

– Giovanni Angelo Becciu, Substituto da Secretaria de Estado;

– Konrad Krajewsky, polaco, esmoleiro pontifício;

– Joseph Coutts, arcebispo de Karachi, Paquistão;

– Antonio dos Santos Marto, português, bispo de Leiria-Fátima;

– Pedro Ricardo Barreto Jimeno, jesuíta, arcebispo de Huancayo, Peru;

– Désiré Tsarahazana, arcebispo de Toamasina, Madagascar;

– Giuseppe Petrocchi, arcebispo de L’Aquila, Itália;

– Thomas Aquino Manyo Maeda, arcebispo de Osaka, Japão.

Dom Toribio Ticona, Corocoro, Bolívia

Além destes estão os três que tem mais de 80 anos de idade, que, explicou o Pontífice, “se distinguiram por seu serviço à Igreja”:

– Sérgio Obeso Rivera, arcebispo emérito mexicano de Xalapa;

– Toribio Ticona Porco, prelado emérito de Corocoro, Bolívia;

– o padre Aquilino Bocos Merino, dos missionários claretianos, o único que não é bispo dentre as nomeações anunciadas hoje.

Nova composição do colégio de cardeais

Esta é a nova composição do colégio, que no próximo dia 29 de junho, passará a ter 126 votantes (hoje, são 115) no caso de um eventual Conclave.

Os cardeais eleitores da Europa passam de 48 a 54;

os da América do Norte continuam sendo 17;

os da América Central seguem sendo 5;

os da América do Sul passam de 12 a 13;

os da África passam de 15 a 16;

os da Ásia passam de 14 a 17;

os da Oceania continuam sendo 4.

Destes, 20 foram criados por João Paulo II;

46 foram criados por Bento XVI;

59 foram criados por Francisco.

Entre as surpresas mais significativas está a inclusão de D. Krajevsky, esmoleiro conhecido por ajudar, dia e noite, os pobres, os moradores de rua, os migrantes e os refugiados. “Não sabia nada – disse na manhã de hoje -, estava saindo de bicicleta do Vaticano quando me avisaram que deveria escutar o Papa durante o Regina Coeli. Para mim é uma surpresa total…”.

“É verdade que o Papa me nomeou cardeal?” Mas ninguém me consultou!” É o que disse, com um sorriso, o novo cardeal Louis Sarko, que recebeu a notícia por telefone poucos minutos depois do anúncio. “Esta nomeação não é para mim, mas para a Igreja do Iraque e para o Iraque. Todo o nosso país necessita de apoio. Esta nomeação parece com a núncio na Síria, Zenari, como sinal do apoio do Papa Francisco à nossa Igreja. Estou muito agradecido ao Papa Francisco. Farei o que puder no serviço da Igreja”.

Fonte: https://www.vaticannews.va

Posts relacionados