Dom João Braz de Aviz lança livro em Brasília

Por Rosinha Martins|22.03.2015| O prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica do  Vaticano, dom João Braz, Cardeal de Aviz, lançou na tarde deste domingo, 22, na Cúria Metropolitana de Brasília, o livro intitulado “Sou João – verdade e diálogo por uma Igreja-Comunhão”, que trata da sua trajetória como cardeal, o seu pensamento sobre a Igreja Católica e seus desafios em nível nacional e internacional.

Estiveram presentes no lançamento, o arcebispo da arquidiocese de Brasília, dom Sérgio da Rocha, o arcebispo emérito de Brasília, dom José Freire Falcão, a presidente nacional da CRB, Irmã Maria Inês Vieira Ribeiro, mad, bispos auxiliares, religiosos e leigos vindos de várias paróquias da Arquidiocese e um dos autores do livro, o focolarino Adelmo Cordeiro Galindo. O lançamento foi uma inciativa
da Editora Cidade Nova, do Movimento dos Focolares.

Na abertura, dom Sérgio deu as boas vindas aos presentes e fez referência à arquidiocese como sendo a casa de dom João pela missão que aqui assumiu. “Nesta tarde quero felicitar dom João pelo livro. Fico feliz, especialmente com as palavras destacadas: verdade, diálogo por uma Igreja-Comunhão”.  Para dom Sérgio o título expressa bem a vida e o ministério de dom João mas, também, indica o caminho a ser percorrido por cada católico, como um programa de vida e em vista da fidelidade a Cristo e a comunhão com o Papa Francisco.

O arcebispo agradeceu a dom João por ter aceito o convite do Papa para ser o prefeito da Congregação na qual atua, pelo serviço prestado à arquidiocese de Brasília. “A nossa gratidão torna-se ainda maior pelo seu empenho neste ano da Vida Consagrada”, acrescentou.

“O livro nasceu na França e foi lançado com o título “o homem de chumbo”, pelo fato de eu ter levado – há muito tempo atrás- um tiro e ter muito chumbo no meu ‘esqueleto’. Na Itália, foi lançado com o nome “um bispo que veio da periferia para o Vaticano” e no Brasil, “Sou João – verdade e diálogo por uma Igreja-comunhão”, porque não gosto muito dos títulos eminência, excelência, etc.”, explicou dom João.

Ao falar do tema da verdade, do diálogo e da comunhão, dom João ressaltou que no momento atual pelo qual passa a sociedade em geral, é de fundamental importância o testemunho da comunhão, pois se agravam os problemas da violência, da pobreza, da corrupção e a própria sociedade não aceita mais as desigualdades que marcam o cotidiano das pessoas como a diferença de direitos entre homem e mulher, ricos e pobres, a exposição de crianças a todo tipo de situações. “Queremos um mundo onde, partindo de uma dignidade única de todos nós, possamos construir a paz, a dignidade que a gente quer”, frisou.  Dom João enfatizou, ainda que “não tem como no mundo de hoje não criarmos relacionamentos que partam da igualdade. Depois, cada um de nós, na sua missão leva o que tem dentro. Se sou bispo tenho que dar o que tenho como bispo, se sou fotógrafo, jornalista, tudo que faço só tem sentido se é em função da sociedade”.

Para dom João não é possível organizar uma sociedade em base do lucro e simplesmente pela exploração de um de outro. Segundo ele “as coisas que vemos a respeito do poder e do dinheiro, seja nos relacionamentos interpessoais ou nas grandes estruturas é de um mundo profundamente totalmente doentio”. E o Brasil não está longe disso, ressaltou referindo-se à realidade política em que se encontra o país.  “Sigo de perto pelos jornais o problema da corrupção em nosso país. Isso é triste demais! Estamos numa baixa. Em nome de que? O povo não deixou de pagar imposto. Fato é que tem gente indigna no lugar que está. Por isso, a comunhão é importante, pois a mudança parte de nós”.

Dom João fez referência, também,  ao problema da violência por grupos religiosos extremistas, no oriente. “Não acreditamos numa religião que puxe pela violência pois não tem nada a ver com Deus, com tradição religiosa”.

Sobre o Ano da Vida Consagrada, dom João falou das expectativas do Vaticano e do esforço que está sendo feito para trabalhar com os religiosos temas que são vitais e fundamentais para uma Vida Consagrada saudável. De acordo com dom João os religiosos precisam trabalhar seriamente a questão da formação, da vida comunitária, do poder, do autoritarismo e da administração do dinheiro. “O Papa quer uma Igreja pobre e para os pobres e para isso é necessário recuperar os valores e consequentemente nossa relação com Deus”.

Durante o lançamento, que teve tom amigável e de muita proximidade, os participantes puderam dialogar com dom João acerca da sua vida e experiência no Vaticano e da sua relação com o Papa Francisco, receber o livro autografado e se confraternizarem no momento de coquetel que foi servido a todos com direito a um bolo que trazia estampado a capa do livro com o título “Sou João – verdade e diálogo por uma Igreja-comunhão.

Fonte: CRB Nacional

Posts relacionados

É Advento!

É Advento! Tempo de caminhar na esperança! Tempo de esperançar! Tempo de estar vigilantes e atentos aos sinais dos tempos! Atentos aos sinais de que

Leia mais »