Carta de Repúdio – Não a discriminação da mulher

Segue a carta na íntegra: 

CARTA DE REPÚDIO

NÃO A DISCRIMINAÇÃO DA MULHER

A Conferência dos Religiosos e das Religiosas do Rio Grande do Sul – CRB/RS vem manifestar sua indignação mediante o pronunciamento “machista” e “preconceituoso” do treinador do Grêmio Porto Alegrense, em relação às “mulheres grávidas” e “freiras”. As duas afirmações ferem profundamente o respeito e a dignidade da mulher: “Se bobear, até mulher grávida faria gol, no Grêmio, hoje” e “não sou padre e não treino time de freiras”.

Reitera que a mulher está sendo vítima da violência, de múltiplas formas, na sociedade atual, e que ela, sendo freira ou não, coloca-se como cuidadora e defensora da vida nos “estádios do mercado de trabalho” ou nos diversos “campos de batalha eclesial, familiar e profissional”, onde luta pelo pão de cada dia e, na maioria das vezes, mal remunerada. Outrossim, as mulheres freiras, diuturnamente, batalham nos estádios e campos de jogo, não esportivo, pelo cuidado incansável da vida, como protagonistas, em diversas frentes de missão, especialmente neste tempo inusitado da fragilidade da vida humana e ecológica. Com certeza são competentes em sua área de atuação e investem na formação contínua, o que não justifica a terminologia usada, pelo treinador, na mídia, para explicar o insucesso do seu time, em campo. O sucesso se conquista com resiliência e persistência, avaliando e aprendendo com os erros, e não com práticas ou palavras discriminatórias, de gênero. Exigimos que o autor das expressões discriminatórias, em relação às mulheres “grávidas e às freiras”, se retrate publicamente, através das mídias, reconhecendo os impactos negativos dessas expressões no contexto feminino.

Equipe de Coordenação da CRB/RS

Irmã Aldinha Inês Welzbacher – ICM
Irmã Lurdes Luke – IDP
Irmã Regina Cândida Führ – CSC
Frei Vanildo Luiz Zugno – OFMcap
Padre Charles Wilner – OSFS

Posts relacionados