A “madrinha dos romeiros” do Cariri nos dá “adeus”: Irmã Annette Dumoulin

Morre aos 85 anos a irmã Annette Dumoulin, “madrinha dos romeiros” do Cariri

Irmã Annette Dumoulin, da Congregação de Nossa Senhora (Cônegas de Santo Agostinho) de Juazeiro do Norte (CE), morreu nesta sexta-feira, 21, aos 85 anos. Ela estava hospitalizada desde o último dia 9, com quadro clínico de desconforto no pâncreas e fígado, e apresentou uma piora entre essa quinta-feira, 20, e sexta-feira.

Conhecida como “a madrinha dos romeiros”, a religiosa de origem belga chegou ao Brasil na década de 1970 para estudar e pesquisar as Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) na periferia do Recife. Na convivência na cidade pernambucana, ela descobriu Cícero Romão Batista, o Padre Cícero, de quem virou afilhada e devota. Annette se mudou para o Cariri e contribuiu para as atividades religiosas desempenhadas na região.

“A memória de Irmã Annette permanecerá no coração da Igreja de Crato e da nação romeira. Choremos a sua partida, mas sem nos esquecer de que “A vida não é tirada, mas transformada” (Prefácio dos Fiéis Defuntos). Junto ao padrinho e à Mãe das Dores, há de interceder e olhar por nós”, declarou em nota o bispo diocesano de Crato, Dom Gilberto Pastana de Oliveira.

Nota da Diocese do Crato

“Vem participar da alegria do teu Senhor” (Mt 25,21)

A Diocese de Crato está consternada com a dolorosa notícia da partida de Irmã Annette Dumoulin, que nos chegou na noite desta sexta, 21 de maio. Ela faria 86 anos no próximo dia 14 de julho.

Unidos à Basílica Santuário de Nossa Senhora das Dores e à nação romeira, de quem Irmã Annette fez-se madrinha, elevamos a Deus orações de sufrágio ao mesmo tempo em que agradecemos o seu apostolado nas terras caririenses, ajudando-nos a moldar o rosto romeiro e missionário desta Igreja Particular.

Sua dedicação à vida acadêmica estimulou-a a atracar no Brasil, em 1973, para estudar e pesquisar as Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) na periferia do Recife (PE). Na convivência, descobriu a figura do Padre Cícero Romão e as romarias de Juazeiro do Norte. Chegou como estudiosa e pesquisadora, junto à irmã de Congregação Ana Teresa, fazendo-se depois afilhada e devota do padrinho.

Após combater o bom combate, essa religiosa belga, de alma sertaneja, ingressa à pátria celeste para desfrutar dos bens reservados àqueles que na vida souberam amar a Cristo e aos irmãos, salmodiando com os anjos: “Eu deixei pai e deixei mãe, deixei todos os meus irmãos e cheguei no Juazeiro para servir ao romeiro”. Choremos a sua partida, mas sem nos esquecer de que “A vida não é tirada, mas transformada” (Prefácio dos Fiéis Defuntos). Junto ao padrinho e à Mãe das Dores, há de interceder e olhar por nós.

À Congregação de Nossa Senhora (Cônegas de Santo Agostinho) manifestamos a nossa proximidade, agradecendo igualmente todo cuidado dispensado à Irmã Annette nos últimos dias de sua vida terrena e

A memória de Irmã Annette permanecerá no coração da Igreja de Crato e da nação romeira. por nos manter atualizados de seu estado de saúde.

Em Cristo, que Ressuscitou e subiu ao Céu,

Dom Gilberto Pastana de Oliveira

Bispo diocesano de Crato

Padre Cícero José da Silva

Pároco e reitor da Basílica Santuário Nossa Senhora das Dores,
de Juazeiro do Norte (CE),
em nome da Pastoral de Romaria

Trajetória de Ir. Annette

Anne Dumoulin, conhecida popularmente como Irmã Annette, nasceu no dia 14 de julho de 1935 na cidade de Liége, na Bélgica. Com cinco anos de idade teve que migrar juntamente com sua família para França, em consequência dos bombardeios provenientes da II Guerra Mundial. A religiosa ainda hoje conserva na lembrança os momentos de tensão e medo sofrido com esta experiência migratória. Retorna ao seu país sensibilizada com a lição que aprendera com o pai: “A felicidade consiste em ajudar os outros”, lembra ela, ao destacar que esse ensinamento transformou a sua vida.

Em 1955, a jovem Annette forma-se em Educação Física na Bélgica e em 1958, gradua-se em Ciência da Religião pela Universidade Católica de Louvain e, posteriormente, em Psicologia da Religião, obtendo os títulos de mestre e doutora em Ciência da Educação, com especialidade em Psicologia da Religião pela Universidade Católica de Louvain, entre 1964 e 1970.

Durante sua vida acadêmica, Irmã Annette ocupou o cargo de assistente no Centro de Psicologia da Religião da Universidade de Louvain (UCL) nos idos de 1964 – 1970 e, na mesma universidade, tornou-se professora de Ciências da Educação e Psicologia da Religião das Faculdades de Teologia e Ciências da Educação no período de 1970-1975. No ano de 1960, sagrou-se na Congregação de Nossa Senhora (ordem das Cônegas de Santo Agostinho).

Juntamente com a irmã Ana Teresa Guimarães chega ao Brasil para estudar e pesquisar as Comunidades Eclesiais de Base (Cebs), ambas decidindo morar na periferia de Recife, entre 1972 e 1973, sob os cuidados de Dom Hélder Câmara.

Contato com a terra do Pe. Cícero

No contato com as pessoas ao chegar no Brasil, ouviram falar do Padre Cícero e vieram a Juazeiro do Norte, onde tiveram momento de forte encantamento no tocante às romarias, passando a admirar o sacerdote e toda a sua obra. Foram mais de 40 anos empreendendo pesquisas, juntamente com a irmã Ana Teresa, e ações socioreligiosas acerca do Padre Cícero, das romarias e dos romeiros. Em 1976, a irmã Annette pede sua exoneração da Universidade de Louvain e se instala definitivamente em Juazeiro do Norte, onde recebe acolhimento dos então padres Murilo de Sá Barreto e José Alves de Oliveira, onde abraçaram a defesa ao Padre Cícero e o acolhimento aos romeiros do Nordeste. Foi criado o Centro de Acolhida dos Romeiros na Paróquia de Nossa Senhora das Dores.

A religiosa tem somadas importantes contribuições nas áreas da cultura, social, educacional, além de colaborar com estudos relacionados ao Padre Cícero e valorização da cultura romeira. São 40 anos de trabalho na Igreja de Nossa Senhora das Dores, sobretudo nas celebrações destinadas ao povo romeiro. No Círculo Operário São José, realiza um encontro com peregrinos desde 1976, denominado reunião das 15 horas.

No Centro de Psicologia da Religião (CPR), desenvolve um trabalho de coleta, catalogação e organização de um acervo documental que serviu e serve aos pesquisadores do Brasil e de outros países, culminando com a construção de dezenas de monografias, dissertações e teses de doutorado. Para a Universidade, conceder o Título de Doutor Honoris Causa a Irmã Annette Dumoulin representa mais que uma justa homenagem, mas uma atitude de valorização por parte da instituição, pela sua vasta contribuição social, religiosa e científica para o Cariri e, especificamente, Juazeiro do Norte.

A CRB Nacional se solidariza com as Irmãs  Cônegas de Santo Agostinho, em especial com Irmã Sueli Belato, coordenadora da Regional Brasília, Luziania e Formosa, e louva a Deus pelo belo testemunho de Ir. Annette Dumoulin no meio do povo.

Posts relacionados

Nota do CIMI

Nota do Cimi O Conselho Indigenista Missionário (Cimi) manifesta sua solidariedade ao povo Guarani e Kaiowá e cobra justiça pelo assassinato de Vitor Fernandes “Eu

Leia mais »