67 anos de profecia

 

CRB – 67 ANOS DE PROFECIA

Em 11 de fevereiro de 1954, nascia a Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) para a Igreja e para a vida religiosa consagrada, como uma bênção de Deus. Nascia dentro do Congresso Nacional dos Religiosos do Brasil realizado de 7 a 13 de fevereiro, no Rio de Janeiro (RJ), com a participação de mais de 1000 religiosos e religiosas de diversos lugares do Brasil.

Uma história no “ritmo e orientação da Providência Divina”

De 1954 a 1965, construíram-se os alicerces de algo novo que estava nascendo. Na ata de fundação, em sessão oficial, foram levados ao Plenário alguns critérios. Primeiro: “Não legislar e depois fazer, mas seguir o caminho contrário que foi sempre o de todos os fundadores religiosos”. Segundo: “Com esta sobriedade, pretende-se deixar margem de iniciativa à Diretoria para imprimir à Conferência o ritmo e a orientação que a Providência Divina indicar através dos acontecimentos”.

Marcas fortes deste período merecem ser lembradas: o movimento bíblico, o movimento litúrgico, a catequese, a renovação paroquial, a renovação da teologia, o movimento de Natal com duas frentes (a denúncia da seca e seus mecanismos de sustentação e as escolas radiofônicas do movimento de educação de base – MEB), a Ação Católica, o Movimento por um Mundo Melhor e a criação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

De 1962 a 1965, a CRB viveu um sopro de criatividade inédita pelo caminho aberto pelo Concílio Vaticano II. A palavra-chave era “aggiornamento”, ou seja, tornar a Igreja atual. Neste contexto vive-se com a CNBB, o Plano de Pastoral de Conjunto.

De 1965 a 1979, –  a partir do povo e na Igreja, sob o signo do Vaticano II – a CRB vive uma etapa desafiadora de revisões, questionamentos e buscas. Então, se fez a redescoberta da missão profética da Vida Religiosa. Muito contribuiu o Sínodo sobre a Evangelização no mundo de hoje (1974) e a correspondente Exortação do Papa São Paulo VI, Evangelii Nuntiandi (1975).

Neste período, nasceu a Revista Convergência com temas sobre a Vida Consagrada e reflexões sobre a missão dos religiosos e religiosas. Surgiram grupos de reflexão para as diversas áreas: teológica, formação, educação e cursos especiais como o CETESP e o CERNE.

A partir 1979 até 2004, A CRB entra num período com jeito de mulher, “Há uma esperança para o futuro! Há setas indicando teu caminho!” (Jr 31,17-21). Em 2001 se deu a eleição da primeira mulher para a presidência da CRB, Ir. Maris Bolzan, sds.

No século 21, a CRB ampliou seus horizontes e prioridades, acentuando alguns marcos definidos em suas diversas assembleias: a formação, a intercongregacionalidade, a espiritualidade, a opção pelos excluídos, o compromisso com a missão além-fronteiras, as parcerias com as Conferências irmãs da América Latina, o cuidado com a comunidade, a atenção à questão de gênero e etnia, as novas formas de vida religiosa, os migrantes e refugiados, os idosos e as novas gerações.

Vínculos mais amplos e fortes, hoje, se expressam com as 20 Regionais do Brasil, o Papa Francisco, a Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica a União das Superioras Gerais das Congregações Brasileiras (USGCB), a União Internacional das Superioras Gerais (UISG), o Fórum Nacional das Entidades Filantrópicas (FONIF), a Conferência Latino-Americana de Religiosos (CLAR) a Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica (CIVCSVA), a Cáritas, a Rede Um Grito pela Vida, a Associação Nacional de Educação Católica do Brasil (ANEC), o Centro Cultural Missionário (CCM) e a CNBB.

Nascidas no mesmo contexto eclesial, ressaltam-se como “sinais dos tempos” a caminhada conjunta e o bom relacionamento da CRB com a CNBB.

Finalidade e Missão da CRB

Animar a VC no Brasil, promovendo a comunhão entre os membros dos diversos Institutos Religiosos (…);
Coordenar atividades que visem a construção de alianças Intercongregacionais na formação e missão;
Promover a inserção em meios populares em situação de risco social;
Atuar em favor das Entidades Religiosas Católicas (…);
Manter, acompanhar, apoiar e estimular projetos missionários e sociais, em todo o território nacional, em parceria com as Secções Regionais e entidades afins (…);
Realizar seminários, palestras, cursos, encontros, congressos e fóruns (…) em vista da inclusão social;
Comprometer-se na defesa dos direitos humanos e da justiça social (…);
Estimular a manutenção de programas de proteção social para crianças, adolescentes, idosos e (…);
Motivar a formação para a consciência e exercício da cidadania;
Promover publicações e difusão de obras que visam ao desenvolvimento humano (…);
Manter intercâmbio com instituições congêneres nacionais e internacionais e com o poder público.

A logomarca

O Irmão Claudino Falchetto, fms, ex-Presidente Nacional da Conferência dos Religiosos do Brasil, lançou um concurso em 1985, em todo o Brasil para escolher o logotipo da CRB Nacional. Venceu o arquiteto, Irmão Analino Zorzi, fsc, religioso dos Irmãos das Escolas Cristãs (Lassalistas), de Porto Alegre (RS).

A interpretação feita pelo autor sobre sua arte: “As três faixas representam os três votos que os religiosos professam. As faixas formam visualmente as mãos em oração, orientadas para cima, num sentido positivo, para o bem, para Deus. A entrega, a oferenda do religioso e a aceitação e o envolvimento como seres humanos se encontram em Deus. E é com suas mãos que os religiosos ajudam a transformar a realidade num mundo de justiça e fraternidade, servindo os homens, seus irmãos. Sugerimos a cor azul, por lembrar o infinito de Deus e a eternidade do homem em Deus”.

Presidentes da CRB

Até hoje, foram 11 os/as presidentes da CRB:
1954-1965 – Dom Martinho Michler, osb
1965-1968 – Pe. Antônio Aquino, sj
1968-1977 – Padre Marcello Azevedo, sj
1977-1983 – Pe. Décio Batista Teixeira, salesiano
1983-1989 – Ir. Claudino Falchetto, fms
1989-1995 – Pe. João Edênio Reis Valle, svd
1995-2001 – Pe. João Roque Rohr, sj
2001-2007 – Ir. Máris Bolzan, sds
2007-2013 – Ir. Márian Ambrosio, idp
2013-2014 – Ir. Paulo Petry, fsc
2014-2022 – Irmã Maria Inês Vieira Ribeiro, mad

Na frente Ir. Mª José Barbosa dos Santos, bdp, Ir. Maria Inês Vieira Ribeiro, mad,

Irmã Eliene Oliveira Barros, rbp e Irmã Ana Teresa Pinto, fma.

Atrás Pe. Nivaldo Luiz Pessinatti, sdb, Irmão Olavo Dalvit, fsc e Pe. Antonio Ramos Moura Neto, osj

Celebração dos 67 anos

Ao celebrar os 67 anos na caminhada seguindo Jesus, a atual presidente da CRB, Ir. Maria Inês Vieira Ribeiro, mad, saúda os consagrados e consagradas, dizendo:

 

“O tesouro de qualquer Instituição são as pessoas. Cuidar bem delas é um ato de cidadania. Em se tratando de uma Instituição Religiosa, como a CRB, que vive pelo Reino de Deus, cuidar das pessoas, além de um ato de cidadania, é um ato sagrado.”

 

E convida a todos e todas a “continuar no ardor profético, na alegria da consagração e no impulso missionário!

 

Ir. Patrícia Silva, fsp
Comunicação da CRB Nacional

 

Posts relacionados