A Vida Religiosa se alegra com a Congregação das Irmãs Agostinianas de Dungu, com o Prêmio Nansen de Refugiados – uma espécie de prêmio Nobel do mundo humanitário que a Irmã Angélique Namaika recebe nesta terça, 17. O anúncio foi feito em Genebra, pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR).Irmã Angélique trabalha há 10 anos no nordeste da República Democrática do Congo, no acompanhamento de mulheres vítimas da violência de gênero e do conflito congolês. Além do abuso sofrido, essas vítimas (mulheres e crianças).A abordagem individual adotada pela Irmã Angélique no seu trabalho ajuda as vítimas a se recuperarem de seus traumas. Além do abuso que sofreram essas mulheres e crianças vulneráveis são frequentemente condenadas ao à exclusão, ao isolamento ou exílio por suas comunidades e pela própria família. Para curar suas feridas e reconstruir suas vidas despedaçadas elas precisam muito amor e carinho, do jeito que Irmã Angélique sabe dar.

Angélique falou ao Conselho de Segurança da ONU e no Congresso dos EUA sobre a violência e a busca pela paz no Congo.

Estima-se que aproximadamente 350 mil pessoas tenham sido forçadas a deixas suas casas na região de Dungu. A brutalidade do grupo sectário cristão e militar que atua no norte de Uganda, o LRA (Lord’s Resistance Army) é bastante conhecida, e depoimentos de mulheres confirmam esta prática.

O Brasil, mão estendida a estas refugiadas

Algumas dessas mulheres congolesas encontraram refúgio no Brasil. As Caritas Arquidiocesanas de São Paulo e do Rio de Janeiro trabalham em parceria com o ANCUR.

O Brasil possui cerca de 4.400 refugiados de cerca de 70 nacionalidades. Os congoleses representam o 3º maior grupo (cerca de 13%), antecedidos pelos angolanos e colombianos.

Larissa Leita trabalha na Caritas Arquidiocesana de São Paulo e fala justamente da realidade das refugiadas congolesas no Brasil. Clique acima para ouvir a reportagem completa.

Conheça um pouco da história missionária de Irmã Angélique

Aos nove anos de idade, Angélique decidiu dedicar sua vida aos necessitados ao ver uma religiosa trabalhando em uma aldeia.

Se ingressou na Congregação das Irmãs Agostinas de Dungu e Doruma, em 1992 . “As deslocadas pela violência do LRA são muito vulneráveis. Elas são capturadas, levadas à floresta e dadas aos soldados. Ali, apanham, são vítimas de violência sexual”, disse à coletiva de imprensa em Genebra.

Irmã Angélique, 46, é uma refugiada dentro do próprio país. Foi obrigada a deixar sua casa em virtude de ataques do grupo armado na região e viveu em abrigos com outros deslocados em 2009. “Não sabia aonde ir. Cruzei árvores, campos, não havia comida para todos. Na caminhada, cantava músicas religiosas para espantar o medo, relatou.

“Era difícil achar quem ajudasse. Quando conheci as vítimas do LRA que escapavam da floresta, percebi que elas tinham sofrido muito mais atrocidades do que eu. Isso me encorajou a ir todos os dias aonde elas viviam para ajudá-las. Estar juntas é importante para as mulheres. Lembramos sempre do ditado: uma por todas, todas por uma”, narrou.

A religiosa é cofundadora do Centro para Reintegração e Desenvolvimento em Dungu, cidade mais afetada pelo LRA. Só neste ano, foram 54 ataques do grupo armado na região, com 17 mortes e 53 sequestros.

Ali, a religiosa trabalha com 150 mulheres que estão em processo de recuperação de traumas. As mulheres têm cursos de alfabetização, costura e culinária. São mulheres como Monique, raptada aos 14 anos pelo LRA. Obrigada a se casar com um soldado, descobriu estar grávida ao ser liberada, aos 17 anos.

Hoje, vive em Dungu com seu bebê de 6 meses, a mãe e o irmão. Aprendeu a costurar com Angélique e faz uniformes escolares. “As mulheres são muito importantes na sociedade. São elas que educam os filhos, formam o futuro. Peço a Deus todos os dias que me dê força para continuar a ajudá-las. E peço que todos ajudem fazendo o mesmo, e olhem para essas mulheres, não só no Congo, que sofrem tantas atrocidades”, concluiu.

Nos últimos 30 anos, o Exército de Resistência do Senhor (LRRA), forçou o deslocamento de 2,5 milhões de pessoas internamente e além das fronteiras do Congo, Uganda, Sudão do Sul e República Centro-Africana, indica um relatório divulgado nesta terça-feira, 17, pelo ACNUR.

SDS Bloco H - nº 26 - Sala 507 - Edfício Venâncio II

CEP: 70393-000 - Brasília - DF - Brasil (061) 32265540 - Fax: (061) 3225 3409 crb@crbnacional.org.br

2018 - CRB Nacional.org.br

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?