Aconteceu nos dias 14 e 15 de novembro, em Manaus (AM), a segunda reunião da Secretaria Geral do Sínodo sobre a Amazônia.
O referido Sínodo acontecerá dia 6 a 27 de outubro de 2019.

O encontro contou com a participação de dois cardeais, Dom Lorenzo Baldisseri e Dom Pedro Barreto, bispos representantes de diversos regionais e países, assessores religiosos e leigos.

O encontro tem como objetivo consolidar o processo de preparação do Sínodo sobre a Amazônia em seus aspectos organizativos, conteúdo, agenda e dinâmica de trabalho.

Em pauta, diversos assuntos, a saber:

▪Processo de organização do sínodo: diversas etapas;

▪Agenda do Sínodo;

▪Elaboração de uma carta convite para outras conferências episcopais da África, Ásia e Europa para a contribuição com processo de reflexão sobre o Sínodo;

▪Discernimento sobre questões que definem o perfil do Sínodo;

▪Partilha do processo de reflexão nas dioceses e regionais sobre a preparação do Sínodo: eventos, conquistas, desafios, esperanças.

Da Arquidiocese de Belém participaram Dom Antônio de Assis, representante dos bispos do Regional Norte 2 e o monsenhor Possidônio da Mata (P. Cid), como perito assessor da Secretaria Geral do Sínodo.

Expectativas da Assembleia

▪Que haja fidelidade aos grandes princípios propostos pelo papa Francisco;

▪Que estimule a promoção de uma verdadeira cultura eclesial amazônica;

▪ Que estimule a Igreja a retomar e reforçar a sua opção pelos mais pobres e excluídos;

▪ Que seja alimentadora da Esperança, do ânimo e do otimismo eclesial e Pastoral;

▪ Que nos estimule à promoção de uma ampla REDE pela vida e pela promoção da ecologia integral;

▪ Que dê respostas pastorais concretas para o êxodo católico – ao fenômeno da “descatolização” do continente;

▪ Que seja capaz de considerar a complexidade da realidade Amazônica e não só o mundo indígena;

▪ Que encontremos uma resposta concreta para cerca de 80% das comunidades Católicas sem Eucaristia: um novo ministério sacerdotal;

▪ Que seja capaz de dar passos novos em relação à ministerialidade da mulher;

▪Que encontremos o justo equilíbrio entre o Direito universal, princípios teológicos e as urgências pastorais da Amazônia;

▪ Que inaugure um tempo de novo ardor fraterno e solidariedade Missionária;

▪ Que cresça a solidariedade Missionária entre as nossas dioceses católicas do continente americano;

▪ Que não seja um evento ecologista, mas profundamente eclesial e Missionário!

▪ Que haja mais pastores (bispos) da própria região;

▪Que indique pistas administrativas para a questão

▪ Que seja considerada os desafios das periferias nas grandes metrópoles;

▪ Que desemboque na elaboração de uma “pedagogia pastoral” para a Amazônia;

▪ Que seja capaz de assumir e valorizar os valores e a sensibilidade dos povos Amazônicos;

▪ Que seja uma oportunidade para um relançamento da inculturação;

▪ Que seja capaz de denunciar as grandes manifestações da cultura de norte na Amazônia;

▪ Que aposte na promoção de um clero nativo, indígena, autóctone… Com uma Ratio Fundamentalis específica;

▪ Que reforce a sensibilidade para com a questão da sensibilidade e mística a amazônica (simplicidade, sobriedade…);

▪Que seja uma oportunidade para o fortalecimento da escuta e da contemplação da natureza

▪Que seja uma ocasião para um relançamento da importância da preservação;

▪ Que seja um evento capaz de promover uma presença da Igreja mais intensa na região;

▪ Que haja um profundo combate ao clericalismo;

▪ Que se processe uma discussão capaz de promover a democratização dos ministérios;

▪ Que se dê mais abertura às Religiosas no serviço à Igreja;

▪Que haja uma tomada de decisão em relação ao diálogo com os evangélicos;

▪ Que a Assembleia Sinodal considere os pontos mais fortes no processo de preparação (tempo de escuta).

Dom Antônio de Assis

SDS Bloco H - nº 26 - Sala 507 - Edfício Venâncio II

CEP: 70393-000 - Brasília - DF - Brasil (061) 32265540 - Fax: (061) 3225 3409 crb@crbnacional.org.br

2018 - CRB Nacional.org.br

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?