300 anos de bênçãos e de graças

Foto: Matheus Nascimento

“300 anos de devoção à Maria; 300 anos de oração com Maria; 300 anos de adoração a Jesus; Nestas colinas de Aparecida./ Solidários no Sacrário, Missionários queremos ser./ Pequenina, restaurada/ A sua Imagem nos ensinou/ A ser um povo que não sabe esmorecer. / E se acaso for ferido, / oprimido e esmagado,/  esquecido e machucado, / Outra vez reencontrado, /nosso povo saberá renascer.” Assim canta o Hino oficial dos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora no Rio Paraíba, SP, composto pelo Pe. Zezinho, scj.

“300 anos de devoção a Maria”! Devoção à Maria e não adoração à Maria. A Igreja Católica sempre orientou e educou os seus fiéis sobre o verdadeiro culto à Maria. O papa Paulo VI, em 1974, escreveu a exortação “MarialisCultus”, – Culto à Maria – onde esclarece sobre o culto à Maria na liturgia, reafirma os fundamentos bíblicos, cristológicos, eclesiológicos, ecumênicos e antropológicos para o culto mariano e dá indicações sobre a piedade mariana do Angelus e do Santo Rosário.

A devoção à Maria está presente desde o começo do cristianismo. Ela não é fortuita e nem idolátrica. A devoção nasce da participação de Maria na história da salvação. A obra salvadora de Deus realiza-se com a sua efetiva participação. A bem-aventurada virgem Maria é exemplo na ordem da fé, da caridade e da perfeita união com Cristo. Ela soube ouvir e a colher a Palavra de Deus com fé. “Eis aqui a serva do Senhor! Faça-se em mim segundo a tua palavra”. É assim que ela responde ao anúncio de que ela era a escolhida para ser a mãe do Salvador.

“300 anos de oração com Maria”! O santo Evangelho descreve Maria como mulher de oração. O Magnificat (Lc 1,47-58) é a sua oração por excelência onde agradece as maravilhas que Deus operou nela e através dela, em favor do povo. Nas Bodas de Caná (Jo2, 1-12), ela intercede a Jesus, por uma necessidade temporal dos noivos: “eles não têm vinho”. A última passagem bíblica que fala de Maria está em Atos dos Apóstolos 1,14: “Todos eles perseveravam na oração em comum, juntamente com algumas mulheres – entre elas, Maria, mãe de Jesus – e com os irmãos dele”.

É Maria que reza com a Igreja e os fiéis rezam com ela. Uma riqueza de orações e devoções foram surgindo, mas sem dúvida a mais comunitária é a Oração do Rosário. Nesta oração, são meditados 18 fatos da vida de Jesus Cristo e dois de Maria. Repete-se a oração do Pai-Nosso, a Ave-Maria e o Glória ao Pai. A Ave-Maria é composta de duas frases bíblicas, seguida de uma súplica.

“300 anos de adoração a Jesus”! “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! Como mereço que a mãe do meu Senhor me venha visitar”? (Lc1, 42-43), exclama Isabel. O mistério do Natal fala do menino nascido e dos cuidados maternos da mãe Maria. Para que Jesus pudesse falar de “viva voz”, ser ouvido, tocado e ele pudesse tocar, ver, visitar o seu povo, precisou assumir a condição da finitude humana. Deus quis precisar do ser humano, confiar-se aos cuidados de uma mãe. Maria foi a escolhida e ela fez esta mediação.

O ponto de chegada e o mais importante de todas as grandes manifestações de devoção mariana é a Celebração da Eucaristia, onde celebra-se o mistério da vida, paixão, morte e ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo. Compreende-se e venera-se Maria dentro deste mistério.

Maria é grande porque ela engrandece a Deus, as suas iniciativas e a sua obra salvadora. Ave-Maria! Cheia de graça! O Senhor está contigo!

Dom Rodolfo Luís Weber
Arcebispo de Passo Fundo
06 de outubro de 2017

Posts relacionados

Dia da Caridade

        Dom Rodolfo Luís Weber No dia 10 de maio de 2016, foi promulgada a lei Nº 5197 que institui o dia

Leia mais »

Férias

  Muitas pessoas, nesta época do ano, têm a oportunidade de fazer as suas merecidas férias. Interromper a rotina de trabalho, de estudos e de

Leia mais »